Hamas promete suspender ataques a Israel, diz ministro russo

O líder supremo do Hamas, Khaled Meshaal, prometeu durante visita a Moscou que o grupo islâmico suspenderá os disparos de mísseis e outros ataques contra Israel, declarou nesta terça-feira Serguei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia."O Hamas deveria usar sua autoridade para conter a violência, inclusive os disparos de mísseis na direção de Israel", prosseguiu Lavrov em entrevista coletiva conjunta concedida ao lado de Meshaal. "Recebemos a informação de que isso será feito", afirmou."Nossa recomendação ao Hamas, que hoje foi transmitida a Meshaal, é que o grupo siga na direção dos princípios do Quarteto, que incluem o reconhecimento de Israel", concluiu Lavrov.Entretanto, Meshaal comentou em outra entrevista coletiva que o Hamas ainda não está pronto para reconhecer Israel. "Acima de tudo, Israel precisa encerrar a ocupação dos territórios palestinos e parar de provocar sofrimento ao povo palestino", justificou Meshaal. "Quando Israel o fizer, o povo palestino deixará clara sua posição", assegurou.Antes da reunião, Lavrov afirmou que o governo russo buscará apoio internacional ao acordo de partilha de poder fechado recentemente entre o Hamas e o Fatah e pela suspensão de um embargo político e econômico imposto pelo Ocidente à Autoridade Nacional Palestina (ANP).A Rússia, integrante do chamado Quarteto de mediadores da paz no Oriente Médio, é a favor do acordo de partilha de poder entre as duas facções palestinas rivais porque o documento demonstra "sabedoria, razão e responsabilidade ante o povo palestino", declarou Lavrov.Os comentários do chanceler russo foram feitos antes do início da reunião entre ele e líder supremo do Hamas. A visita de Meshaal a Moscou reflete a posição declarada do Kremlin de que a melhor forma de lidar com o Hamas é por meio de negociações, e não sanções.A Rússia tem buscado incrementar sua participação no Oriente Médio e responde mais positivamente quanto ao plano de governo de unidade nacional do que os Estados Unidos e a União Européia."Estamos em contato com os integrantes da comunidade internacional para apoiar este processo e torná-lo irreversível, inclusive os esforços pela suspensão do embargo", declarou Lavrov.Posições internacionaisOs Estados Unidos, principais aliados de Israel, lideram um embargo ocidental à ANP desde março de 2003, quando o Hamas assumiu o governo palestino dois meses depois de ter vencido por ampla margem as eleições gerais nos territórios palestinos.O Quarteto - integrado por EUA, Rússia, UE e ONU - exige que qualquer governo palestino reconheça o direito de existência de Israel, o que o Hamas recusa-se a fazer. Apesar disso, o acordo de partilha de poder fechado este mês na Arábia Saudita parece ter começado a influenciar a posição de alguns países europeus com relação ao Hamas.O presidente da França, Jacques Chirac, comentou recentemente que pedirá em março, durante reunião de cúpula da UE, o apoio do bloco ao plano de governo de unidade nacional nos territórios palestinos.Miri Eisin, porta-voz do primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, rejeitou a declaração de Lavrov. "Esta não é a posição da comunidade internacional nem a posição do Quarteto", assegurou ela.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.