Hamas promete US$ 50 mil para decorar o Natal de Belém

Militantes islâmicos podem estar em carga, mas não significa que não haverá Natal este ano: o governo do Hamas está prometendo US$ 50 mil para decorar o local do nascimento de Jesus, mais do que foi investido no ano passado. O dinheiro extra pode não ser suficiente para trazer o espírito natalino para Belém, atingida duramente nos últimos seis anos do conflito entre israelenses e palestinos. A cidade bíblica é agora cercada pelas paredes de separação de Israel, a pobreza está aumentando e cristãos estão deixando a cidade. O ministro do Turismo Palestino Joudeh Morkos tem modestas expectativas. No último ano, 2.500 visitantes estrangeiros foram até a cidade para o Natal, mas ele está contando os ônibus com cristãos de cidades árabes que chegam nessa época do ano.Faltando duas semanas até o Natal, Belém está apenas parcialmente decorada. O católico prefeito Victor Batarseh disse neste sábado que não irá começar a decoração até que receba o dinheiro. Poucas estrelas de neon são vistas nas ruas principais. A única decoração na Igreja Luterana de Natal em uma área de mercado movimentada é uma estrela pintada com spray, onde se lê "Jihad Islâmica", nome de um grupo militante islâmico. Os negócios andam em ritmo lento em Belém. Nas proximidades da Igreja da Natividade, tradicional local do nascimento de Jesus, somente duas das seis lojas de souvenir e um café estão abertos. Os negociantes afirmam que os últimos seis anos foram prejudiciais para a economia da cidade, o que foi agravado com o esforço da economia internacional para boicotar o governo do Hamas, que chegou ao poder há 10 meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.