Hamas propõe dividir o poder com grupo de Arafat

O grupo islâmico Hamas anuncia que põe de lado suas divergências com o histórico líder palestino Yasser Arafat e propõe o estabelecimento de uma liderança unida para promover eleições nos territórios palestinos. A declaração do Hamas é a mais clara indicação dada até o momento, pelo grupo islâmico, sobre a possibilidade de participar de eleições gerais nos territórios ocupados. Ao contrário da Autoridade Nacional Palestina (ANP), o Hamas é contra a existência de um Estado judeu. Até recentemente, o Hamas vinha se recusando a participar de eleições ou de qualquer outro processo ligado à ANP, presidida por Arafat, por se opor aos acordos provisórios de paz fechados entre o líder palestino e Israel, no passado. O Hamas, principal adversário de Arafat nos territórios palestinos, boicotou a única eleição geral palestina, realizada em 1996. A repentina deterioração da saúde de Arafat levantou questões sobre um eventual vácuo de poder na ANP caso o líder palestino de 75 anos venha a falecer. Numa rara demonstração de união, Ismail Haniyeh, um líder do grupo islâmico na Faixa de Gaza, desejou a rápida recuperação de Arafat em entrevistas concedidas a emissoras de televisão nesta sexta-feira. Em comentários levados ao ar pela emissora Al-Arabiya, Haniyeh sugeriu "a formação de uma liderança palestina unida ou de uma Autoridade Palestina ampliada para seguir um programa político e preparar as eleições gerais".

Agencia Estado,

29 Outubro 2004 | 14h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.