Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Hamas rejeita cessar-fogo proposto por governo egípcio

O Hamas não está disposto a aceitar o acordo de cessar-fogo apresentado pelo Egito. Líderes do grupo radical islâmico dizem concordar apenas com propostas que envolvam a retirada israelense da Faixa de Gaza e o fim do bloqueio imposto ao território palestino. O plano egípcio prevê uma série de itens, entre eles a reconciliação da organização com o Fatah e a entrada de forças internacionais para monitorar a fronteira com o Egito."Uma iniciativa para ser aceita deve ter como base os termos estabelecidos pelo movimento desde o início (do confronto com os israelenses)", disse Mussa Abu Marzuk à rede de televisão Al-Jazira. O grupo palestino está divido internamente sobre que rumo tomar. A primeira divisão se dá entre a área política e a área militar. Enquanto os políticos do Hamas estão mais dispostos a aceitar um cessar-fogo, a ala militar pretende seguir com os combates. Líderes baseados na Síria também defendem que o Hamas continue com os disparos de foguetes, enquanto na Faixa de Gaza o apoio à continuidade dos ataques é menor. O problema é que a negociação está nas mãos das lideranças no exílio.Nos EUA, o Departamento de Estado informou que o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, não pediu que o presidente americano, George W. Bush, se abstivesse de votar a favor da resolução 1860 do Conselho de Segurança da ONU, que pedia um cessar-fogo. O comunicado foi uma resposta ao premiê, que tinha declarado em discurso que os americanos só não aprovaram a resolução por causa de um telefonema dele para Bush.CESSAR-FOGOEm Washington, tanto o próximo quanto o atual governo trabalham para que os combates terminem antes da posse de Barack Obama, na terça-feira. A futura secretária de Estado, Hillary Clinton, disse que os EUA, na nova administração, terão como prioridade a segurança de Israel e as aspirações palestinas.

Gustavo Chacra, JERUSALÉM, O Estadao de S.Paulo

14 de janeiro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.