Hamas rejeita idéia britânica de governo palestino de unidade nacional

A organização islâmica Hamas, que controla o Parlamento da Autoridade Palestina, rejeitou a sugestão feita pelo primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, que disse que os palestinos deveriam formar um governo de unidade nacional.Blair, que está realizando uma visita ao Oriente Médio, fez a sugestão neste domingo após um encontro em Ramallah com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas - membro da organização política Fatah, que faz oposição ao Hamas. O premiê britânico disse que um governo de coalizão permitiria aos países do ocidente retomar contatos com os palestinos. Países ocidentais têm boicotado o governo liderado pelo Hamas, eleito em janeiro, por causa da posição anti-Israel declarada da organização."Eu acredito que um governo assim, baseado nas exigências do Quarteto (Rússia, ONU, União Européia e Estados Unidos), ofereça a possibilidade de novo envolvimento da comunidade internacional", disse Blair.Mas o Hamas disse que as condições sugeridas por Blair para a formação do governo de coalizão são injustas. O porta-voz do partido, Sami Abu Zuhri, disse que o grupo está pronto para formar um governo de coalizão com os moderados do Fatah, mas não "de acordo com padrões impostos".Blair não se encontrou com nenhum representante do Hamas durante sua visita à Cisjordânia.Abbas e OlmertMahmoud Abbas também disse, neste domingo, estar disposto a se encontrar com o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, em uma reunião sem condições previamente determinadas.A declaração foi feita um dia após o premiê israelense também manifestar sua disposição em se encontrar com Abbas.No sábado, Olmert havia afirmado que um possível encontro com Abbas não estará condicionado à libertação do soldado israelense, Gilad Shalit, capturado por militantes palestinos, mas afirmou que o caso estará entre os principais assuntos que serão abordados.A última vez que Olmert e Abbas se encontraram foi em junho, pouco antes da captura do soldado Shalit.Desde então, mais de 200 palestinos foram mortos em ataques israelenses a Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.