Hamas retira milícias das ruas de Gaza mas não dissolve forças

O grupo Hamas, que lidera o governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP), ordenou a retirada de sua milícia da Cidade de Gaza, informou nesta sexta-feira a televisão oficial palestina.O ministro do Interior, Said Siyam, ordenou a retirada da "força de apoio" de 3 mil homens que ele mesmo mandou entrar em ação no dia 19 de maio. Nesta sexta, os milicianos do grupo não saíram às ruas de Gaza, onde até agora reina a calma.Com a iniciativa, o Hamas pretende evitar novos choques com as milícias do movimento nacionalista Fatah, como os da última semana. Nos incidentes morreram 10 pessoas. A violência chegou a despertar o medo de uma guerra civil nos territórios palestinos.Segundo altos funcionários do Hamas, a retirada das milícias dos lugares públicos não significa, no entanto, que a força será dissolvida.A violência entre os dois grupos palestinos é um dos problemas que levaram à convocação da reunião entre diversas facções palestinas em Gaza e Ramallah, que começou na quinta-feira e termina nesta sexta.Na abertura da conferência, na quinta-feira, o primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, lançou um apelo para "evitar que o povo fale pelas armas".Logo depois da criação da nova força, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, ordenou sua retirada das ruas de Gaza, com os agentes leais ao Fatah patrulhando suas ruas. O Hamas respondeu com a ameaça de aumentar o número de integrantes de sua nova força armada.Haniyeh voltou a rejeitar na quinta o pedido de Abbas de retirar das ruas a "força de apoio" e reivindicou para o Ministério do Interior a autoridade na área de segurança.O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP) chefia o Conselho de Segurança Nacional e por isso tem a última palavra em questões referentes aos órgãos de manutenção da ordem. Sob seu comando está a maior parte das forças palestinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.