Hamas usa números da guerra para demonstrar 'superioridade'

Grupo se vangloria de ter causado a morte de 64 soldados de Israel; poucos militantes morreramporque se escondem

CIDADE DE GAZA, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2014 | 02h02

O Hamas tem usado os números da guerra para demonstrar sua suposta superioridade moral sobre Israel: 64 militares israelenses e 3 civis mortos, para mais de 1.800 palestinos, a maioria civis. Mas, por trás desses números existem nuances desconfortáveis para o grupo islâmico, que são bem conhecidas dos palestinos na Faixa de Gaza e ajudam a entender a relutância do Hamas em pôr fim ao conflito neste momento.

Poucos combatentes do Hamas morreram, quando comparados aos civis, por duas razões que não contribuem para a popularidade do grupo: porque seus combatentes e líderes se esconderam em bunkers e túneis, enquanto os civis aguentavam os bombardeios na superfície e porque as baterias de foguetes e as entradas dos túneis do Hamas estão em áreas residenciais e comerciais, para causar o maior número possível de baixas civis e tornar a operação israelense mais delicada, tanto do ponto de vista militar quanto político.

O maior símbolo dessa tática nessa guerra é o Hospital Shifa. Todas as entrevistas concedidas por porta-vozes e funcionários do Hamas ocorrem nesse hospital, porque há um bunker abaixo dele, do qual eles sobem para os encontros com os jornalistas. Israel sabe disso, pois construiu esse hospital - e o bunker - em 1983, quando ocupava a Faixa de Gaza. Mas, como bombardear o maior hospital da cidade inimiga?

O Hamas nega o uso de "escudos humanos", mas o repórter do Estado presenciou, ao longo de oito dias, o disparo de foguetes de áreas densamente povoadas, incluindo um ponto a dois quarteirões de onde jornalistas estrangeiros estão hospedados. O Hamas sabe que Israel não pode bombardear uma área de concentração de jornalistas. E sabe que a tática não faz bem a sua imagem. Na noite de quinta-feira, após ser visto gravando imagens da sacada, o repórter teve o apartamento invadido por dois homens encapuzados, que exigiram ver as imagens.

Percorrendo a Faixa de Gaza de norte a sul, parando nas cidades mais atingidas - Jabaliya, Beit Hanun, Beit Lahiya, Khan Yunis e Rafah, além de Gaza -, a reportagem do Estado constatou que, ao lado da morte de muitos civis, houve também muitos alvos atingidos que tinham de fato ligação com o Hamas e a Jihad Islâmica. Muitas casas eram de policiais, de famílias ligadas ao Hamas.

Militarmente falando, embora alguns lugares tenham sido cenário de guerra de saturação e terra arrasada, também chama a atenção a capacidade de Israel de identificar pessoas ligadas aos grupos islâmicos. E isso é algo que nem a mais sofisticada atividade de voos de reconhecimento dos aviões não tripulados e balões que dominam os céus da Faixa de Gaza pode obter. A chamada inteligência humana, no terreno, envolvendo informantes palestinos, foi usada em grande escala.

Moradores de Gaza afirmam que dezenas de palestinos foram executados e arrastados pelas ruas como punição por colaborar com Israel. "Os espiões foram executados após serem pegos informando sobre o paradeiro da resistência ou interrompendo o trabalho dos homens da resistência e desarmando emboscadas contra o inimigo", informou o site Al-Majd, pró-Hamas, citando funcionários do grupo. A colaboração com Israel expressa o descontentamento de parte dos palestinos com a forma como a Faixa de Gaza vem sendo administrada. / L.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.