REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Crise econômica faz hambúrguer custar US$ 170 na Venezuela

Enquanto no câmbio oficial 10 bolívares valem US$ 1, no mercado negro este vale 1 mil bolívares. Venezuelanos fazem filas em lojas de mantimentos para comprar a refeição mais barata

O Estado de S. Paulo

21 Maio 2016 | 16h26

CARACAS - Se um turista estiver desprevenido e contar apenas com um cartão de crédito internacional, pagará mais caro na Venezuela por itens básicos do que em Tóquio ou em Zurique. Um hambúrguer custa 1,7 mil bolívares, o equivalente a US$ 170 no câmbio oficial de 10 bolívares por dólar, e a diária em um hotel, 69 mil bolívares, ou seja, US$ 6,9 mil.

Obviamente, nenhum comerciante precifica seus produtos usando como referência a taxa oficial, mas sim a do mercado negro, no qual um dólar vale 1 mil bolívares. Para os venezuelanos que ganham em bolívares, as coisas também são absurdamente caras, em razão da hiperinflação em uma economia altamente dependente das importações.

Até mesmo para a classe média, que desliza para a pobreza, um hambúrguer ou uma noite em um hotel estão fora de seu alcance. "Todo mundo está caindo. Não conseguimos respirar", conta Michael Leal, de 34 anos, gerente de uma ótica.

Em Chacao, bairro da classe média de Caracas, um grupo de funcionários públicos faz fila em uma loja de mantimentos para comprar o almoço mais barato possível. Ao redor, os restaurantes estão vazios.

Vista de cima, Caracas se parece com qualquer outra cidade da América Latina, com arranha-céus, autopistas de tráfego intenso e pedestres que caminham apressados.

Mas um olhar um pouco mais atento revela um profundo mal-estar econômico. Muitas lojas, especialmente de produtos eletrônicos, baixaram as portas."Está horrível agora", diz Marta González, de 69 anos, dona de uma loja de produtos de beleza."Não há compras, só se compra comida", prossegue a mulher, enquanto atende uma cliente que paga com cartão de débito um par de lâminas de barbear descartáveis. Um cartaz colado no caixa indica: "Não aceitamos cartões de crédito".

Filas. No mesmo bairro, um moderno e requintado shopping center com vários restaurantes com terraço, um espaçoso Hard Rock Café e lojas de redes internacionais como Zara, Swarovski e Armani Exchange está deserto, exceto pela presença dos funcionários. Por outro lado, cerca de 200 pessoas fazem fila pacientemente para entrar em uma farmácia.

Elas não sabem exatamente o que vão comprar, mas é a rotina destes tempos: fazer fila para tentar adquirir algum produto de higiene pessoal com preço controlado, como por exemplo pasta de dentes, antes que acabe, o que costuma acontecer em poucos minutos.

"Fazemos isto todas as semanas. Não sabemos o que vamos poder comprar", diz Kevin Jaimes, vendedor de autopeças de 21 anos, que aguarda a sua família. "O difícil é quando tem uma fila gigante e tudo está esgotado antes de chegarmos", continua.

Quando não se consegue adquirir os produtos com preço controlado nos mercados, a única alternativa é recorrer aos revendedores no mercado negro, que cobram 100 vezes mais.

Jaimes vive com a família - um total de sete pessoas - e tenta se virar com um salário de 35 mil bolívares ao mês, o que corresponde a US$ 35. É muito pouco para que possa sequer pensar em ir uma vez ao cinema do shopping, por exemplo, onde a entrada custa 8,8 mil bolívares. /AFP

Mais conteúdo sobre:
Venezuela crise escassez câmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.