Haniyeh convoca reunião de emergência com líderes políticos

O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Ismail Haniyeh, convocou neste domingo uma reunião de emergência com dirigentes de vários partidos políticos, sociais e islâmicos, para analisar a situação financeira e de segurança nos territórios palestinos. A reunião, disseram fontes palestinas, acontece na Cidade de Gaza, e entre os participantes estão membros do movimento nacionalista palestino Fatah e da Jihad Islâmica. Pouco antes do início da reunião, o líder da Jihad Islâmica, Ramadan Shalah, reafirmou durante um encontro realizado no Irã sua rejeição em parar os ataques suicidas e com mísseis contra alvos israelenses. O governo da ANP passa por uma grave crise financeira e não conseguiu ainda pagar os salários de seus mais de 140 mil funcionários. Para isso, precisaria de US$ 120 milhões. Esta crise se originou depois que o Hamas tomou posse do governo. Estados Unidos e a União Européia - principais doadores dos palestinos - decidiram suspender as ajudas enquanto o Executivo não reconhecer Israel e os acordos assinados no passado, e se comprometer a colocar fim à violência. Plano de paz árabe Vários países árabes, assim como o Irã, prometeram enviar ajuda financeira à ANP após a suspensão da ajuda ocidental ao Executivo dirigido pelo movimento islâmico Hamas. O deputado do Fatah e ex-ministro de Negociações da ANP Saeb Erekat, pediu que o governo liderado por Haniyeh adote a posição do presidente Mahmoud Abbas e reconheça os acordos assinados pelos palestinos com Israel. "O grupo Hamas, cuja carta fundacional exige a destruição do Estado de Israel, criticou as negociações com os israelenses e insiste em não reconhecer nem os acordos assinados, nem Israel", afirmou Erekat, que lamentou que o movimento não siga o caminho adotado pelo presidente Abbas. Além disso, se referiu de forma positiva ao convite feito pelo secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa, para que o Hamas reconheça o plano de paz saudita. O plano de paz árabe para a resolução do conflito entre israelenses e palestinos se baseia no estabelecimento de dois Estados, a retirada israelense às fronteiras de 1967 e o reconhecimento dos países árabes do Estado judeu. Esta iniciativa foi apresentada durante a cúpula da Liga Árabe realizada em Beirute, em março de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.