Haniyeh nomeia força de segurança do Hamas em Gaza

Presidente Abbas recusa diálogo proposto pelo secretário-geral do Hamas, Khaled Meshaal, enquanto militantes da facção recebem ordens para agir sem máscaras

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h47

O primeiro-ministro destituído e líder do Hamas, Ismail Haniyeh, nomeou neste sábado, 16, altos comandantes da segurança para um novo órgão policial para a Faixa de Gaza, enquanto o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, rejeitou um pedido da Liga Árabe para se reunir com o secretário-geral do Hamas no exílio, Khaled Meshaal.Haniyeh foi destituído por Abbas há dois dias, mas não acatou a decisão e afirmou que continuará à frente do governo. Enquanto isso, na Cisjordânia, o presidente tenta atualmente formar seu próprio Executivo de emergência, que será anunciado no domingo, segundo fontes oficiais.Abbas vem falando com os EUA sobre a possibilidade de pedir o posicionamento de uma força multilateral para restabelecer a ordem em Gaza, tomada pelo Hamas desde quinta, e também se especula a possibilidade de que os americanos suspendam para o Executivo de emergência o boicote que impôs ao governo palestino, após a chegada ao poder do Hamas.Apesar do impasse entre as duas facções, Meshaal expressou na Síria - onde vive no exílio -, sua vontade de continuar trabalhando com Abbas "pelo bem dos interesses nacionais do povo palestino".O secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa, ligou neste sábado para Abbas a fim de propor um encontro com Meshaal, mas o presidente palestino rejeitou a oferta. Ahmad Abd al-Rahman, dirigente do Fatah, disse depois à rede de televisão Al Jazeera que não dialogará "com amotinados e assassinos mascarados", e ressaltou que o que ocorreu em Gaza é "uma rebelião contra o poder legítimo".Nomeações do HamasComo novo comandante dos diversos órgãos de segurança nomeou Said Fanouna, um general-de-brigada que viveu anos no exílio libanês acompanhando o pai do nacionalismo palestino, Yasser Arafat. Fanouna foi detido por Israel em meados dos anos 80 em "um país mediterrâneo" e, após ser libertado, foi deportado para o sul do Líbano, onde acompanhou Arafat.O militar voltou aos territórios palestinos em 1994, após o estabelecimento da Autoridade Nacional Palestina (ANP). Fanouna já tinha sido proposto por Haniyeh no final de maio como comandante das forças de segurança em Gaza, mas o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, o rejeitou.Haniyeh também está estudando a criação de um novo organismo, que receberá o nome de Alto Conselho da Polícia na Faixa de Gaza e será liderado por dois generais: Taufik Jaber e Maher Ramli, de histórico desconhecido. Além disso, designou como chefe da Polícia na Cidade de Gaza Haled Abu Hilal, ex-porta-voz do Ministério do Interior no primeiro Governo do Hamas e ex-ativista do Fatah que, há poucos anos, foi para o grupo islâmico.Apesar das últimos nomeações, o Hamas garante que não prescindirá dos comandantes de segunda categoria das forças policiais que forem do Fatah.Cara a tapaNa primeira ordem desde que ampliou seu controle na Faixa de Gaza, militantes islâmicos do Hamas proibiram homens armados de usar máscaras, a menos que estejam em conflito contra Israel.Tornou-se um hábito o uso de máscaras na Faixa de Gaza durante os conflitos entre militantes de Hamas e Fatah. Ambos os movimentos usavam máscaras para esconder sua identidade."A decisão de impedir o uso de máscaras foi tomada na última noite", disse o porta-voz do Ministério do Interior controlado pelo Hamas, Khaled Abu Hilal."Só poderão usar máscaras se estiverem na fronteira e em combate com o inimigo sionista, e não nas ruas e perto das casas das pessoas", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.