Hariri retorna ao Líbano após queda do governo

O primeiro-ministro interino do Líbano, Saad Hariri, retornou ao país hoje, dois dias depois de o Hezbollah abandonar a coalizão e derrubar seu governo. Hariri vem tentando angariar apoio internacional nos Estados Unidos, França e Turquia desde que os ministros aliados ao grupo militante xiita renunciaram, na quarta-feira.

AE, Agência Estado

14 de janeiro de 2011 | 12h39

No momento em que o governo caiu, Hariri se reunia com o presidente dos EUA, Barack Obama. Seu escritório não divulgou o resultado de suas reuniões no exterior, que também incluíram um encontro com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e com o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan. O governo turco deve propor uma conferência internacional para cuidar da crise e aconselhar Hariri a buscar um consenso com o Hezbollah, segundo divulgou hoje a rede de televisão privada NTV.

O Hezbollah, que já é a maior força militar do Líbano, tenta expandir seu poder político ao colocar um aliado como primeiro-ministro. Antes de deixar a coalizão de governo, o partido pressionava Hariri a rejeitar um parecer do Tribunal Especial da Organização das Nações Unidas (ONU). O tribunal sugere que altos integrantes do Hezbollah participaram do assassinato de Rafiq Hariri, ex-primeiro-ministro libanês e pai de Saad, morto em 2005.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanogovernocriseHariri

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.