Alexi Lubomirski / Duke and Duchess of Sussex / Team Rubicon
Alexi Lubomirski / Duke and Duchess of Sussex / Team Rubicon

Harry e Meghan incluem em seu cartão de Natal a primeira foto de sua filha Lili

A fotografia mostra o casal, seu primeiro filho, Archie, e 'Lili', que nasceu há seis meses

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2021 | 16h48

WASHINGTON - O príncipe Harry da Inglaterra e sua mulher, Meghan Markle, divulgaram a primeira fotografia de sua filha Lilibet "Lili" Diana, incluindo uma imagem do bebê no cartão postal com o qual o duque e a duquesa de Sussex desejam a seus seguidores um feliz Natal.

A foto mostra o casal, seu primeiro filho, Archie, e "Lili", que nasceu há seis meses. A fotografia é acompanhada por uma mensagem dos dois na qual destacam que o nascimento de Lilibet em 2021 os tornou uma família.

O casal acrescentou que havia feito uma doação, embora sem indicar o montante, "para várias organizações que honram e protegem as famílias, desde aqueles que estão sendo deslocados do Afeganistão, até famílias americanas que precisam de licença-paternidade/maternidade".

Especificamente, os Dukes doaram o dinheiro a sete organizações, incluindo Team Rubicon, Plano Marshall para mães, Human First Coalition e Paid Leave For All. O site da organização Team Rubicon foi um dos que divulgou o cartão de Natal. 

A licença maternidade e paternidade tem sido uma das causas que Markle, de 40 anos, abraçou desde que abandonou a carreira de atriz e se casou com o príncipe Henry.

Em outubro, Markle pediu aos líderes políticos americanos que as licenças maternidade e paternidade pagas sejam incluídas como parte das iniciativas legislativas do governo do presidente Joe Biden.

Biden já tentou aprovar a medida no Congresso dentro de um grande plano social, mas no momento não tem votos para alcançá-la.

A mensagem do casal, que mora na Califórnia, não menciona em nenhum momento a crise causada pela covid-19 e que até o fim de 2021 terá causado cerca de 5,4 milhões de mortos, dos quais 810 mil nos Estados Unidos e 148 mil no Reino Unido./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.