REUTERS/Jonathan Bachman
REUTERS/Jonathan Bachman

Harvey já causou danos a 100 mil casas nos EUA 

Casa Branca anunciou o número e informou que solicitará ao Congresso fundos de emergência para responder aos estragos da catástrofe

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 20h39

WASHINGTON - Cerca de 100 mil moradias foram danificadas em maior ou menor medida pelo furacão Harvey em sua passagem pelo Texas e pela Louisiana, segundo informou nesta quinta-feira, 31, a Casa Branca, razão pela qual o governo do presidente Donald Trump solicitará ao Congresso fundos de emergência para responder aos estragos da catástrofe.

O assessor de Segurança Nacional e Antiterrorismo da Casa Branca, Thomas Bossert, indicou hoje em entrevista coletiva que os fundos de emergências com os quais conta o governo têm liquidez, mas ressaltou que a Casa Branca solicitará financiamento adicional.

No caso do furacão Sandy em 2012, que alagou as costas de New Jersey e Nova York, ainda que com menor impacto que Harvey no Golfo do México, o Congresso aprovou US$ 60 bilhões de ajuda adicional para a recuperação após o ciclone.

Ainda que Bossert não tenha dado cifras concretas sobre a quantia que solicitará ao governo Trump, o governador do Texas, Greg Abbott, estimou que a quantia requerida pode chegar a cerca de US$ 100 bilhões.

Os especialistas assinalam que o Fundo de Alívio de Desastres Naturais da Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA), atualmente de US$ 2,2 bilhões, se esgotará com rapidez dada a magnitude dos danos.

Curiosamente, os dois senadores pelo Texas, os republicanos Ted Cruz e John Cornyn, que agora solicitaram ajuda do governo federal, votaram contra uma legislação similar para apoiar a resposta ao furacão Sandy.

Por outra parte, o assessor presidencial indicou que aqueles que "tentem aproveitar-se de uma vítima do desastre", em alusão a possíveis saques derivados das inundações sem precedentes em algumas áreas do Texas, devem esperar que caia sobre eles todo o peso da lei.

Além disso, instou a todos os afetados que insistam em ligar para suas seguradoras para obter toda a ajuda possível na hora de recuperar seus bens.

As tarefas de resgate continuam hoje em numerosas cidades do Texas após a passagem do devastador ciclone, que já deixou mais de 30 mortos e dezenas de milhares de deslocados, e agora ameaça a área fronteiriça com a vizinha Louisiana.

Em Houston, a cidade mais afetada e onde afortunadamente não choveu nas últimas 24 horas, mais de 32 mil se abrigaram em refúgios temporários enquanto prosseguem os trabalhos de busca e resgate. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.