Haverá consequência se Síria não se desarmar, diz Kerry

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, alertou que a Síria enfrentará punições se não cumprir a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre armas químicas. "Se o regime não agir, haverá consequências", disse ele, após o acordo selado entre os EUA e a Rússia.

AE, Agência Estado

28 Setembro 2013 | 10h45

Kerry saudou o acordo, alcançado após negociações prolongadas. "O Conselho de Segurança mostrou que, quando a política é colocada de lado pelo bem comum, ainda somos capazes de fazer grandes coisas", afirmou. "Se essa resolução for completamente implementada, teremos eliminado um dos maiores programas de armas químicas do mundo, de um dos lugares mais voláteis do mundo."

Ele ressaltou, porém, que as armas químicas são somente um dos problemas e que uma solução é necessária para acabar com a guerra civil de 30 meses na Síria, que já matou mais de 100 mil pessoas.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou na sexta-feira, por unanimidade, a resolução para destruir as armas químicas do governo sírio. A aprovação, após duas semanas de negociações intensas, marca a maior ruptura na paralisia que tomou conta do Conselho desde o início da guerra civil na Síria.

A ONU disse que a equipe "espera finalizar suas atividades no país na segunda-feira, 30 de setembro". Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
EUASíriaONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.