Helicóptero de buscas sofre ataque na Colômbia

Supostos guerrilheiros dispararam contra um helicóptero civil que participa das buscas a um pequeno avião em que viajavam o ministro da Proteção Social, Juan Luis Londoño, e outros quatro ocupantes, e que desapareceu em uma região montanhosa no centro da Colômbia.O diretor da Aeronática Civil, Juan Carlos Vélez, disse à imprensa que o helicóptero regressou à base, apesar de ter sido atingido por quatro disparos. Os quatro membros da equipe de socorro a bordo voltaram ilesos.Rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) atuam na zona montanhosa onde a aeronave que conduzia o ministro desapareceu, na quinta-feira. "O apelo que fazemos é para que os grupos que atuam à margem da lei nos permitam realizar este trabalho de busca do avião, que é um trabalho humanitário... Na se trata de nenhuma operação de caráter militar", disse Vélez. O funcionário acrescentou hoje que "se descarta um seqüestro" do ministro e de seus acompanhantes. O chefe do escritório na Colômbia do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Michael Frühling, dirigiu aos grupos armados um apelo à calma."Ninguém deve tentar impedir os esforços das autoridades para que consigam localizar e chegar o quanto antes até o avião", disse Frühling à imprensa. As operações de busca estão concentradas entre os municípios de Calarcá e Cajamarca, uma fria zona montanhosa, cerca de 160 km a oeste da capital. Dos trabalhos de busca participam grupos de resgate civis, tropas do Exército e cerca de 17 pequenos aviões da Aeronáutica Civil, além de helicópteros e aviões das Forças Armadas. Apesar de as operações terem sido infrutíferas até agora, hoje se informou que na quinta-feira foram detectados sinais dos telefones celulares de alguns dos ocupantes do pequeno avião, entre os quais os de dois assessores do ministro - seu chefe de segurança e o piloto.Estes sinais, segundo afirmou ao canal de televisão RCN o diretor do Esritório Nacional de Atenção e Prevenção de Desastres, Eduardo José González, foram registrados pouco depois de o pequeno avião não ter informado sua posição. Por isso, as comunicações na área estão sendo rastreadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.