Helicópteros da ONU atacam rebeldes no Congo

Helicópteros da Organização das Nações Unidas (ONU) atacaram rebeldes do grupo M23 no leste da República Democrática do Congo neste sábado, devido à retomada dos conflitos na região após meses de relativa tranquilidade.

AE, Agência Estado

17 de novembro de 2012 | 20h14

Dois oficiais do exército e 151 rebeldes foram mortos em uma batalha que começou na quinta-feira. Segundo a ONU, este foi o pior combate entre o grupo M23 e os militares desde julho. Helicópteros da missão da ONU no Congo, conhecida como Monusco, estavam de prontidão.

"O combate foi bastante violento entre os militares congoleses e os rebeldes do M23, que são apoiados pelo exército de Ruanda", disse o governador de Kivu do Norte, Julien Paluku. "Forças de Ruanda bombardearam nossas posições em Kibumba desde esta manhã e cerca de 3,5 mil cruzaram a fronteira para nos atacar."

Segundo relatos de peritos da ONU, Ruanda e Uganda estão apoiando os rebeldes. Ambos os países negam qualquer tipo de envolvimento no conflito. Na sede da ONU em Nova York, o Conselho de Segurança realizou uma reunião de emergência neste sábado para discutir o aumento da violência no leste do Congo.

O grupo M23 foi criado depois que oficiais do exército do país desertaram em abril e maio e iniciaram uma rebelião, exigindo melhores salários, armamentos e anistia por crimes de guerra. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUCongorebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.