Helicópteros israelenses atacam Gaza e matam um palestino

Helicópteros israelenses atacaram a Faixa de Gaza neste sábado, 7, matando um militante palestino, no que os moradores afirmaram ser o mais feroz combate entre forças israelenses e militantes desde a trégua de novembro.O ministro da Defesa de Israel, Amir Peretz, disse no começo da semana que autorizou ataques limitados dentro de Gaza para tentar evitar que militantes plantem explosivos, cavem túneis e disparem mísseis contra cidades israelenses próximas da fronteira.O primeiro ministro israelense, Ehud Olmert, tem buscado não realizar operações militares de larga escala em Gaza por enquanto, mas afirmou que o Exército poderá fazer isso se outras opções fracassarem.Moradores disseram que os helicópteros dispararam pelo menos dois mísseis perto do campo de refugiados de Jabalya no norte da Faixa de Gaza.Um porta-voz do Exército israelense disse que os helicópteros dispararam contra um grupo de militantes que tentava plantar um dispositivo explosivo perto da cerca da fronteira.A Jihad Islâmica afirmou que seus militantes e membros de outro grupo estavam preparando uma operação perto da cerca quando a troca de tiros aconteceu.Militantes disseram que utilizaram granadas disparadas por foguetes e armas automáticas contra as forças israelenses e detonaram bombas que haviam plantado anteriormente perto da cerca de fronteira.Um membro da Frente Democrática para a Libertação da Palestina foi morto durante a troca de tiros, informou a Jihad Islâmica. Pelo menos dois outros militantes ficaram feridos.Moradores disseram que tanques israelenses adentraram a área, mas o Exército negou a informação. "O Exército encontrou 40 explosivos plantados naquela área desde o cessar-fogo de novembro", afirmou o porta-voz do Exército.O ministro das Relações Exteriores do Egito, Ahmed Aboul Gheit, fez um apelo para que Israel e os palestinos não realizem outros ataques. Ele disse que as ações israelenses não "acrescentam para o progresso das negociações... para trazer o processo de paz de volta aos trilhos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.