Helicópteros israelenses voltam a atacar

Depois de quase dois dias de trégua, helicópteros israelenses dispararam mísseis contra três prédios da polícia palestina no campo de refugiados de Rafah, no sul da Faixa de Gaza. Segundo o exército de Israel, o ato foi em represália aos ataques a acampamentos judeus ocorridos na noite de ontem. Não foram registradas vítimas em nenhum dos dois ataques. Os edifícios de segurança dos palestinos haviam sido desocupados na sexta-feira logo depois que um jato F-16 israelense atacou um complexo da polícia na região e deixou 20 feridos.Os três prédios atacados hoje pertencem à Força 17, a guarda pessoal do presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat. Os edifícios também são usados pela inteligência palestina, disseram oficiais de segurança. Os mísseis abriram grandes buracos nos telhados dos prédios e derrubaram algumas paredes, disseram testemunhas. Os móveis foram totalmente destruídos e, depois dos ataques, os funcionários que trabalham no local foram vistos tentando recuperar seus pertences entre os escombros. Depois dos ataques, dezenas de pessoas se reuniram no local para demonstrarem apoio a Arafat. O negociador palestino Saeb Erekat disse hoje que a recusa dos Estados Unidos em condenar as ações israelenses apenas estimulará o primeiro-ministro Ariel Sharon a atacar de novo. Washington exortou Israel para que modere suas ações em outras ocasiões, mas demonstrou apoio à represália que se seguiu a ataques suicidas perpetrados por palestinos recentemente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.