Herança de Nixon é discutida nos tribunais

O litígio protagonizado pelas filhas do falecido presidente norte-americano Richard Nixon por causa da doação testamentária de um amigo de longa data de Nixon, Bebe Rebozo, no valor de US$ 12 milhões, chegou às instâncias judiciais.A disputa não diz respeito apenas ao uso do dinheiro, mas também à forma de administrar a memória de Nixon. Por um lado, existe o ponto de vista de Julie Nixon Eisenhower, a filha que durante os anos do escândalo Watergate esteve mais próxima do pai e procurou defendê-lo.Por outro lado, há a filha mais introvertida, Tricia Nixon Cox. No meio deste litígio está a Nixon Library and Birthplace Foundation de Yorba Linda (Califórnia) e a fundação que administra a herança de Bebe Rebozo, empresário de Miami e grande amigo do ex-presidente.Após a morte de Nixon, em 1994, surgiram as primeiras tensões entre Tricia Nixon Cox, que desejava manter a Nixon Library e a Birthplace Foundation sob estrito controle da família, e Julie Nixon Eisenhower (casada com David, filho de outro presidente, Dwight, do qual Nixon foi vice-presidente nos anos 50), que defendia a necessidade de um Conselho de Administração independente.Os problemas entre Julie e a fundação são desde então administrados por um conselho de 24 membros do qual fazem parte, além das irmãs, alguns ex-membros da Casa Branca da época de Nixon, como Henry Kissinger e Kenneth Kachigian.Após a morte de Rebozo, quatro anos atrás, Tricia vingou-se, bloqueando os US$ 12 milhões destinados à fundação: o empresário de Miami impôs como cláusula que nenhuma atitude podia ser levada adiante sem o prévio consentimento das irmãs. Julie Nixon Einsenhower, apoiada pela fundação, decidiu desafiar o plano legal de sua irmã para conseguir tirá-la das decisões sobre a herança de Rebozo e poder levar o dinheiro para a Califórnia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.