Tiksa Negeri/REUTERS
Tiksa Negeri/REUTERS

Herói olímpico Haile Gebrselassie vai à guerra lutar contra forças rebeldes na Etiópia

Atleta decidiu se juntar ao exército; conflito matou milhares de pessoas em um ano

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2021 | 18h45

ADDIS ABABA - O medalhista de ouro olímpico etíope e herói nacional Haile Gebrselassie prometeu nesta quarta-feira, 24, juntar-se à luta contra as forças rebeldes em seu país.

O campeão aposentado de 48 anos, que estabeleceu 27 recordes de corrida de longa distância, disse à agência Reuters que se sentiu compelido a se alistar porque a existência da Etiópia estava sob ameaça.

Haile disse acreditar que o esporte tem a ver com "paz e amor". Mas defendeu sua decisão de se juntar à luta contra as forças rebeldes de Tigray e seus aliados, que no mês passado ameaçaram marchar sobre a capital Adis Abeba.

"O que você faria quando a existência de um país estivesse em jogo? Você simplesmente largaria tudo”, declarou.

O conflito, que dura um ano, matou milhares de pessoas, fez com que mais de 2 milhões perdessem suas casas e deixou 400 mil enfrentando a fome em Tigray. A escalada aumentou após a ameaça das forças rebeldes de marchar sobre a capital, levando a esforços internacionais por um cessar-fogo.

Na quarta-feira, a mídia afiliada ao Estado informou que o primeiro-ministro, Abiy Ahmed, foi comandar a guerra desde as linhas de frente.

Haile considerou o conflito uma batalha em que a ameaça à Etiópia era uma ameaça a toda a África.

“A Etiópia é um país que contribuiu muito para a África”, afirmou. "É um país exemplar. Se a Etiópia se ajoelhar, o resto também o fará.”

Em uma entrevista em seu escritório na capital, onde dirige mais de uma dezena de empresas imobiliárias, de hospitalidade, agricultura e educação, Haile falou sobre o papel que estava disposto a desempenhar na guerra.

"Você espera que eu diga até a morte? Sim, esse é o preço final em uma guerra", disse ele. "Não há como eu ficar sentado aqui com medo, porque ela chegará à minha porta.” /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.