JC Mcilwaine/Efe
JC Mcilwaine/Efe

Hesitação do Brasil em apoiar resolução contra a Síria na ONU irrita potências

Ministro Patriota dá sinais de que Itamaraty não se convenceu da necessidade de pressionar sírios

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2011 | 00h00

Corrigido às 11h12

 

 

O sinal de que o Brasil não deve apoiar a resolução contra o regime sírio de Bashar Assad no Conselho de Segurança das Nações Unidas irritou EUA, França, Grã-Bretanha e Alemanha. Diplomatas desses países disseram estar decepcionados com a posição brasileira de não votar a favor do texto que condena o governo sírio pela onda de repressão a opositores que já deixou mais de mil mortos.

Essa posição em relação ao Brasil foi informada ao Estado horas depois de o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, ter afirmado em entrevista na ONU que "a Síria é um país central quando se leva em conta a estabilidade no Oriente Médio". "A última coisa que gostaríamos é contribuir para exacerbar as tensões no que pode ser considerada uma das regiões mais tensas de todo o mundo", disse o ministro.

O chanceler evitou revelar o voto brasileiro, dizendo que o governo "seguirá monitorando a situação antes de adotar uma posição". Mas, para os países defensores da resolução, levando em conta as consultas na tarde de ontem, há sinais de que o Brasil não votará a favor.

Um diplomata ocidental disse ontem que "a sensação é de incompreensão com a posição do Brasil". "Conhecemos os valores democráticos dos brasileiros e esperávamos que eles se colocassem a favor da resolução. Tivemos a preocupação até mesmo de não colocar no texto nenhum trecho que pudesse dar chance para uma intervenção externa na Síria. Pedimos apenas reformas lideradas pelos próprios sírios, libertação dos prisioneiros e o fim da violência contra os opositores. Mas parece não ter sido suficiente para convencer os brasileiros".

A resolução proposta por Grã-Bretanha, França, Alemanha e Portugal, com o apoio dos EUA, é bem mais branda do que as duas aprovadas contra o regime de Muamar Kadafi, na Líbia. Na primeira delas, que impôs sanções ao líder sírio, o Brasil votou a favor. Na segunda, que estabeleceu uma zona de exclusão aérea, os brasileiros se abstiveram - ao lado de China, Índia, Rússia e Alemanha.

Além dos brasileiros, apenas China, Rússia e Líbano já se manifestaram contra a resolução. A Índia também tende a seguir o caminho dos outros três membros dos Brics. A posição da África do Sul ainda é incerta.

Mesmo sem o apoio destes seis países, a resolução, ainda sem data para ser votada, poderia ser aprovada com os nove votos a favor, que é o mínimo necessário. O risco seria a Rússia e a China usarem o poder de veto para impedir a aplicação do texto. Os dois países são parceiros comerciais de Damasco e os russos mantêm relações políticas próximas com o regime dos Assads há décadas. O porto de Latakia, na costa síria, é o principal entreposto de Moscou no Mar Mediterrâneo.

De acordo com o ministro brasileiro, é importante prestar atenção em como têm atuado os países do mundo árabe, em especial o Líbano, que também é vizinho da Síria. Estes países não defendem a imposição de sanções a Damasco nem a adoção de uma resolução.

A posição contrasta com a adotada no caso de Muamar Kadafi. Na época, a Liga Árabe posicionou-se abertamente contra o regime líbio.

"A perspectiva deles (dos árabes) é fundamental. A ação na Líbia envolveu um pedido da Liga Árabe. Desta vez, a mensagem é menos clara", disse o ministro. Segundo Patriota, a "posição brasileira será independente (de outros países), mas levará em conta a forma como os países da região lidam com a questão".  

 

Nota: Diferente do que foi publicado anteriormente no título daqui e da versão impressa de O Estado de S. Paulo, o Brasil hesita no apoio a uma resolução contra Damasco, conforme publicado no texto. Não há na resolução qualquer menção a sanções, diferentemente do que dizia o título no jornal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.