Hezbollah anuncia destruição de tanques e morte de soldados israelenses

A Resistência Islâmica, braço armado doHezbollah, afirmou nesta quarta-feira que seus combatentes destruíram três tanques israelenses no sul do Líbano, "cujos ocupantes foram mortos ouFeridos". Segundo a televisão Al-Manar, órgão do Hezbollah, os três tanques foram destruídos perto de Adisa. "Os Mujahedin (combatentes islâmicos) estão desde as 6h20 (0h20 de Brasília) travando violentos combates com uma força blindada do inimigoisraelense", segundo a fonte. Em outro comunicado, também divulgado pela Al-Manar, osmilicianos anunciaram a destruição de uma escavadeira israelense num confronto perto de Haibib, no sul do país.Troca de prisioneirosIsrael e o Movimento Islâmico Hamas não chegaram ainda a um acordo para uma troca de prisioneiros, disse o ex-ministro de Relações Exteriores da Autoridade Nacional Palestina (ANP) Nabil Shaath.Segundo Sahaat, "está ainda longe" a concretização de um suposto acordo, intermediado pelo Egito, para trocar o soldado israelense Guilad Shalit, seqüestrado dia 25 de junho por milicianos de Gaza, por palestinos detidos em prisões de Israel.O ex-ministro, hoje deputado do movimento Fatah no Conselho Legislativo, revelou a existência de contatos para trocar Shalit por 700 prisioneiros.Uma fonte da ANP informou nesta quarta-feira que o governo israelense aceitou libertar mulheres e menores de idade em troca do soldado.SolidariedadeO chanceler jordaniano, Abdelelah al-Khatib,visitará nesta quarta-feira o Líbano num gesto de solidariedade ao país, anunciou o porta-voz do governo jordaniano Nasser Yudeh. "Khatib levará uma mensagem de solidariedade do rei Abdullah IIao povo e ao governo do Líbano, contra a agressão israelense", disse Yudeh. O porta-voz informou ainda que o monarca jordaniano deu instruções ao governo para fornecer querosene ao Líbano. Também deve chegar a Beirute nesta quarta-feira o ministro de RelaçõesExteriores da Espanha, Miguel Ángel Moratinos, acompanhando uma carga espanhola de ajuda humanitária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.