Hezbollah deixa governo do Líbano e instaura crise política

Decisão do grupo radical é represália a investigação sobre assassinato de ex-premiê Rafik Hariri

Associated Press

12 de janeiro de 2011 | 13h25

Atualizado às 15h28

 

Ministros da oposição anunciam renúncia nesta quarta.

 

BEIRUTE - O ministros do bloco opositor do Líbano, do qual o grupo radical Hezbollah faz parte, deixaram nesta quarta-feira, 12, o governo do Líbano, conforme haviam adiantado. A decisão pode mergulhar o governo do primeiro-ministro Saad al-Hariri em uma profunda crise política.

 

Veja também:

blog Gustavo Chacra: as divisões políticas e religiosas do Líbano

 

"Esse gabinete se tornou um fardo para os libaneses, incapaz de fazer seu trabalho", disse o ministro da Energia, Jibran Bassil, acompanhado de outros ministros que renunciaram. "Estamos dando uma chance para que outro governo assuma o poder".

 

A decisão do grupo está ligada às tensões geradas pelas investigações internacionais sobre o assassinato do ex-premiê Rafik Hariri em 2005. Espera-se que o Hezbollah seja indiciado por envolvimento na morte do ex-líder, pai do atual primeiro-ministro.

 

Ao todo, 11 ministros da oposição, reunida sob a coalizão 8 de Março, renunciaram. O grupo precisava que mais de um terço do gabinete, formado por 30 ministros, deixasse o governo para derrubá-lo.

 

O grupo xiita Hezbollah e seus aliados têm pressionado há meses o primeiro-ministro a rejeitar o Tribunal Especial para o Líbano, apoiado pela ONU, argumentando que essa corte é parte de um plano feito entre EUA e Israel.

 

Bassil disse que os ministros decidiram renunciar depois que Hariri "sucumbiu a pressões estrangeiras e americanas" e virou as costas para os esforços sírios e sauditas. A Síria e a Arábia Saudita tentaram mediar a crise política no Líbano, mas não tiveram sucesso.

 

Nos últimos dias, o primeiro-ministro Hariri reuniu-se em Nova York com o rei Abdullah, da Arábia Saudita, com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton. Ele se reuniria nesta quarta na Casa Branca com o presidente norte-americano, Barack Obama.

 

Divisão de poder

 

A composição do governo libanês é fruto de prolongadas negociações e é formado por 30 ministros. O bloco opositor é formado por xiitas e cristãos, enquanto o governista, do premiê Hariri, é composto por sunitas e cristãos radicais.

 

A lei libanesa prevê que todo governo deve incluir representantes de todas as religiões do país - xiitas. sunitas, druzos e cristãos. Com a saída da oposição e do Hezbollah, a coalizão torna-se ilegal, já que não tem representantes xiitas.

 

O Líbano é um Estado sectário, já que não existe maioria religiosa. Os cristãos, sunitas e xiitas representam aproximadamente um terço da população cada. Censos não são realizados, o que inviabiliza a determinação de números exatos.

 

Colaborou Gustavo Chacra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.