Ali Dia/ AFP
Ali Dia/ AFP

Hezbollah dispara foguetes contra Israel, que responde com ataque de artilharia

Escalada de violência na fronteira entre Líbano e Israel chega ao terceiro dia e ameaçam período de relativa calma que prevalece desde 2006; Bennet convoca reunião de emergência com cúpula militar

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2021 | 07h13

Pelo menos 10 foguetes foram disparados contra Israel do sul do Líbano nesta sexta-feira, 6, em um ataque reivindicado pelo grupo extremista Hezbollah. A maioria dos foguetes foi interceptada pelo Domo de Ferro sistema de defesa antimíssil de Israel, segundo comunicado divulgado pelos militares do país. O restante dos dispositivos explosivos caiu em áreas abertas. Não há relatos de vítimas ou danos significativos.

O Hezbollah declarou que disparou uma enxurrada de foguetes perto de posições israelenses próximas à fronteira libanesa, classificando o ataque como uma retaliação por ataques aéreos israelenses no sul do Líbano um dia antes. Em um comunicado, o grupo militante disse que atingiu "campos abertos" perto de posições israelenses na área disputada das fazendas Shebaa, com "dezenas" de foguetes.

A ofensiva provocou uma resposta das Forças de Defesa de Israel (IDF), que responderam com disparos de artilharia.

A TV libanesa Manar, do Hezbollah, noticiou que aviões de guerra israelenses voavam em baixa altitude sobre o sudeste do Líbano no começo da tarde (manhã no Brasil).

O relato dos militares israelenses aponta que sirenes de alerta no norte do país soaram antes das 12h00 (06h00 em Brasília) nas Colinas de Golã e na Alta Galiléia, perto da fronteira com o Líbano.

De acordo com o The Jerusalem Post,o primeiro-ministro Naftali Bennett convocou uma reunião de emergência com o ministro da Defesa, Benny Gantz, e a cúpula da IDF em Tel Aviv, para definir a intensidade da resposta. A publicação afirma que é o sexto ataque do tipo nos últimos meses, e o primeiro reivindicado pelo Hezbollah.

É o terceiro dia de hostilidades que ameaçam um período de relativa calma que prevalece desde 2006, quando Israel e o Hezbollah travaram uma guerra de um mês. Foguetes disparados do Líbano há dois dias geraram retaliação israelense, com bombardeios e ataques aéreos. A escalada de tensões ocorre em um momento em que os atritos entre Isral e Irã - que apoia o Hezbollah - também aumentam, principalmente por temas ligados ao programa nuclear iraniano./ REUTERS, AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.