Hezbollah diz que vai se manter armado para se defender

O secretário-geral do Hezbollah, o xeque Hassan Nasrallah, afirmou numa entrevista ao jornal libanês "As Safir" que o grupo manterá suas armas, para serem utilizadas somente caso Israel ataque o Líbano. "A resistência não utilizará seus mísseis, salvo em caso de guerra israelense contra o Líbano", afirmou Nasrallah.Segundo o chefe xiita, o Hezbollah conservará seus mísseis, como já fez entre 1996 e 2006 ou seja, desde a ofensiva israelense anterior a de julho e agosto deste ano. Ao longo deste período, a situação esteve relativamente tranqüila no sul do país, com exceção de alguns incidentes no polêmico setor das Fazendas de Chebaa."Acabamos de sair de uma guerra e não temos pressa de começar outro conflito em Chebaa, embora seja nosso direito. Não vamos dar um presente a Israel", afirmou o xeque. As fazendas, situadas entre Líbano, Síria e Israel, são reivindicadas pelo Líbano como território próprio. Israel e a ONU, porém, afirmam que elas fazem parte da Síria, assim como as Colinas de Golã.Nasrallah também acusa Israel de, durante a recente ofensiva contra o Líbano, usar todas as armas em seu poder, com exceção das nucleares. Ele disse que o primeiro-ministro israelense só foi bem-sucedido na guerra ao mandar a população para os abrigos.O líder negou que os xiitas tenham um projeto para o país. Também descartou problemas entre sua comunidade e a sunita no Líbano, assim como com o mundo árabe, inclusive com a Arábia Saudita, que chamou o movimento xiita de "aventureiro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.