Hezbollah é o vencedor, diz imprensa árabe

A imprensa árabe apresenta hoje a milícia xiita do Hezbollah como ganhadora da guerra não declarada travada com Israel. A guerra durou um mês, e alguns consideram que acabou com a invencibilidade do exército israelense. "O fim do mito" (de Israel), é a manchete do diário egípcio Al Wafd. Na matéria, o jornal afirma que o cessar-fogo, em vigor desde manhã desta segunda-feira,É como "um colete salva-vidas para os líderes israelenses". "Após 33 dias de combates, la Resistência Islâmica (braço armado do Hezbollah) derrotou Israel, e a resolução 1.701 do Conselho de segurança da ONU foi como um colete salva-vidas para os dirigentes israelenses depois de seu fracasso no Líbano", insiste o periódico.Outro diário egípcio, Al Ajbar, considera que "Israel sofreu muitas perdas infringidas pela heróica resistência libanesa no sul do Líbano". Postura semelhante adotou o Al Masri al Yom, que assegura que os combates dos últimos minutos foram "os mais duros para os israelenses".Essa também é a opinião dos jornais dos Emirados do golfo Pérsico, Al Qabas, do Kwait, que diz em seu editorial de hoje que o Hezbollah "devolveu aos árabes a sua dignidade".O diário Al Quds al Arabi, editado em Londres, afirma que "o que aconteceu até o dia de hoje, 14 de agosto, será registrado nos livros de história árabe coo vitória". Várias redes de televisão árabes, como Al Jazira e Al Arabiya, difundem declarações de analistas e experts militares que declaram que a atuação do Hezbollah "surpreendeu a todos". Alguns destacaram a capacidade da milícia enfrentar o exército israelense, um dos melhores da região, e que saiu vencedor em várias guerras árabe-israelenses desde a criação do Estado de Israel em 1948.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.