Hezbollah envia à ONU informações sobre morte de Hariri

O grupo xiita Hezbollah informou hoje que entregou dados que supostamente implicam Israel no assassinato do ex-primeiro-ministro do Líbano Rafiq Hariri. Uma fonte do judiciário libanês disse que as informações foram entregues ao Tribunal Especial para o Líbano da Organização das Nações Unidas (ONU). O tribunal, montado na Holanda, investiga o assassinato de Hariri, morto em fevereiro de 2005 junto com outras 21 pessoas num atentado em Beirute.

AE, Agência Estado

17 de agosto de 2010 | 15h58

"Após uma reunião no domingo à noite entre o primeiro-ministro Saad Hariri e Hussein Khalil (um funcionário do Hezbollah), e baseado em um pedido do premiê, o funcionário Wafiq Safa, do Hezbollah, entregou hoje ao procurador-geral do Líbano, Said Mirza, as informações reveladas por Hassan Nasrallah sobre o papel de Israel no assassinato", disse o Hezbollah em comunicado. Nasrallah é o líder do grupo xiita libanês. No começo deste mês, ele acusou diretamente Israel de ser o mandante da morte de Hariri.

Um fonte do judiciário disse à AFP que os dados foram transferidos ao escritório do procurador-geral do Tribunal Especial para o Líbano em Beirute, Daniel Bellemare. Na última quarta-feira, Bellemare pediu às autoridades libanesas que entregassem todas as informações e documentos relacionados ao assassinato de Hariri, que estariam sob poder de Nasrallah, o qual afirma que o Estado de Israel, arqui-inimigo do grupo xiita, é o mandante do assassinato.

Há alguns dias, Nasrallah exibiu imagens sem datação de clipes de vistas aéreas de várias regiões libanesas, as quais ele afirma que foram gravadas por aviões não tripulados e teleguiados de Israel, os chamados "drone". Entre as imagens, está o local onde Hariri foi assassinado em 2005 em Beirute Oeste, região muçulmana sunita da capital libanesa. As imagens teriam sido feitas vários anos antes do atentado de 2005.

O Hezbollah, apoiado pela Síria e pelo Irã, está enfrentando crescentes pressões, em meio a relatos de que o tribunal da ONU acusará integrantes do grupo pelo atentado de 2005. Nasrallah advertiu contra a implicação do seu partido xiita no assassinato de Hariri, acusando o tribunal da ONU de ser um "projeto israelense".

O assassinato de Hariri ativou uma forte reação internacional e levou à retirada das tropas da Síria do Líbano, em abril de 2005, após uma ocupação militar que começou em 1976. A Síria foi em grande parte vista como culpada pelo assassinato, mas Damasco negou com veemência qualquer envolvimento.

O Tribunal Especial para o Líbano, sediado em Haia, foi montado a partir de uma resolução de 2007 do Conselho de Segurança (CS) da ONU, para investigar e julgar os suspeitos do assassinato de Hariri. Até agora, nenhum suspeito foi acusado e detido. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoHaririmorteHezbollahONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.