Hezbollah tem grande arsenal subterrâneo, diz oficial israelense

Um alto oficial militar israelense informou nesta quinta-feira que os milicianos do Hezbollah possuem no sul do Líbano um "grande arsenal subterrâneo", a 40 metros de profundidade, e por este motivo Israel começou suas operações por terra.Em declarações à edição eletrônica do jornal Yediot Aharonot, o militar, membro do comando da zona militar do norte e que não quis se identificar, disse que o arsenal e uma rede de abrigos subterrâneos estão localizados próximos à fronteira do Líbano com Israel.Apesar das baixas entre as forças israelenses nas últimas 36 horas, "a operação continuará". Os milicianos do Hezbollah mataram dois soldados israelenses e feriram outros onze, três deles nesta manhã, desde quarta-feira."Há missões que a Força Aérea não pode realizar e que devem ser completadas por outros meios", afirmou o oficial.Sobre as operações de unidades de infantaria em território libanês, em uma faixa de um quilômetro e meio, o secretário do governo, Yisrael Maimon, declarou nesta quinta à rádio pública que Israel tem "planos para uma invasão de grande escala" no Líbano, mas que, por enquanto, não os colocará em prática.As perdas sofridas pelo exército israelense nos confrontos das últimas 36 horas em choques armados com os guerrilheiros do Hezbollah no sul do Líbano já eram previstas no caso de uma invasão ao país, segundo o Yediot Aharonot.O ministro de Turismo israelense, Isaac Herzog, informou nesta quinta que desde o começo da ofensiva, após o seqüestro de dois soldados em território israelense por comandos do Hezbollah, há nove dias, os milicianos dispararam 1.600 mísseis e foguetes Katyusha contra o norte de Israel.O objetivo da ofensiva israelense no Líbano é paralisar a milícia do Hezbollah e "mudar as regras do jogo" na região, segundo Herzog.As Forças Armadas e o governo estão decididos a estabelecer uma situação na qual os guerrilheiros do Hezbollah não possam disparar mais seus foguetes e mísseis contra a população civil em Israel."Isto ocorrerá, embora as operações exijam mais tempo e sejam dolorosas", comentou Herzog, que acrescentou que as Forças Armadas receberam ordens claras de não atacar alvos civis no Líbano.Herzog disse que Israel está interessado em uma solução política da crise que inclua a aplicação da resolução 1559 do Conselho de Segurança da ONU, que exige o desarmamento do Hezbollah e o controle da fronteira com Israel por efetivos do exército libanês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.