Hillary acusa Obama de inexperiência no exterior

A pré-candidata democrata HillaryClinton afirmou na segunda-feira que seu rival Barack Obama éuma escolha arriscada para comandar a política externanorte-americana. Em um discurso sobre diplomacia, ela criticou Obama por terora aventado se reunir com líderes de nações hostis, e emoutros momentos ameaçado um ataque contra a Al Qaeda noPaquistão. "Ele oscila entre parecer acreditar que a mediação e osencontros sem pré-condições podem resolver os problemasintratáveis do mundo e defender uma ação militar unilateraldura, sem cooperação dos nossos aliados na parte mais delicadado mundo", disse Hillary. Ela foi particularmente ácida ao comentar a disposição deObama em se reunir com o recém-eleito presidente de Cuba, RaúlCastro. "Não podemos simplesmente legitimar regimes párias ouenfraquecer o prestígio norte-americano ao aceitarimpulsivamente reuniões presidenciais sem pré-condições. Podesoar bom, mas não atende ao teste do mundo real na políticaexterna." Segundo Hillary, os norte-americanos já se arriscaram e sefrustraram com George W. Bush. "Vimos o trágico resultado deter um presidente que nunca havia tido experiência nemsabedoria para administrar nossa política externa esalvaguardar nossa segurança nacional. Não podemos permitir queisso volte a acontecer." A candidata se disse "testada e pronta" para dirigir o paísem meio a desafios mundiais como as guerras do Iraque eAfeganistão, a proliferação nuclear, a Aids e a pobreza. Nesta segunda-feira, Obama ganhou terreno para as préviasdo Estado de Ohio. A uma semana das votações potencialmentedecisivas em Ohio e no Texas, em 4 de março, uma pesquisa daUniversidade Quinnipiac com prováveis eleitores democratasaponta que Hillary lidera a corrida com 51 por cento dasintenções de voto (contra 40 por cento para o adversário). Os números são preocupantes para Hillary, senadora peloEstado de Nova York, porque a menos de duas semanas a vantagemdela era de 55 por cento contra 34. O fenômeno indica que o bommomento vivido por Obama pode render-lhe frutos também em Ohio. A senadora precisa de vitórias folgadas no dia 4 de marçopara salvar sua campanha, que viu a pré-candidata sofrer 11derrotas consecutivas para Obama, senador pelo Estado deIllinois.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.