Hillary adverte América Latina sobre aproximação com Irã

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, advertiu os países latino-americanos hoje sobre as consequências que eles poderão sofrer se mantiverem relações próximas com o Irã. "Se vocês desejam se aproximar do Irã, devem observar com cuidado quais poderão ser as consequências. Esperamos que vocês pensem duas vezes e se fizerem isso, apoiaremos vocês" declarou Hillary numa conversa sobre diplomacia na sede do Departamento de Estado.

AE-AP, Agencia Estado

11 de dezembro de 2009 | 15h39

Por outro lado, Hillary disse que continuará a expressar sua preocupação com a Venezuela, Nicarágua e outros países latino-americanos nos quais os líderes são eleitos uma vez e depois se aferram ao poder indefinidamente. "Devemos encontrar a maneira de regressar ao caminho no qual a democracia não se trata de líderes individuais mas de instituições sólidas".

Hillary também manifestou seu desejo de ver em breve uma "Cuba democrática". Ela sustentou que os EUA estão comprometidos a construir o que qualificou de "uma nova arquitetura de cooperação" na qual serão usadas todas as ferramentas à disposição para solucionar os problemas que a região enfrenta.

"Se nós olharmos para o Hemisfério, em especial para a América Latina, vemos tendências muito positivas, que vão de aumentos de salários, mais crianças matriculadas nas escolas a melhoras na saúde. Não obstante, existe um potencial enorme que ainda deve ser utilizado e queremos fazer um trabalho melhor do que fizemos no passado com nossos sócios e aliados na região", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãAmérica LatinaHillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.