Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Hillary anuncia nova diplomacia

Futura secretária de Estado quer ?poder inteligente? como diretriz da política externa dos EUA no governo Obama

Fernando Dantas, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

14 de janeiro de 2009 | 00h00

A futura secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, defendeu ontem o uso do "poder inteligente"(smart power, na expressão em inglês), a volta da diplomacia e a cooperação com aliados como focos principais da política externa do presidente Barack Obama, sinalizando uma ruptura com o unilateralismo belicoso que caracterizou o governo de George W. Bush. Para combater as ameaças e desfrutar das oportunidades em um mundo interdependente, observou a senadora, "diplomacia é um trabalho duro, mas quando trabalhamos duramente, a diplomacia funciona".Numa longa sabatina na Comissão de Relações Exteriores do Senado, Hillary disse que "devemos usar o que foi chamado de poder inteligente, o conjunto completo de ferramentas à nossa disposição, diplomática, econômica, militar, política, legal e cultural". Para ela, é preciso pegar "a ferramenta certa, ou a combinação de ferramentas, para cada ocasião". A expressão smart power foi cunhada pelo acadêmico Joseph Nye (leia quadro nesta página). Segundo Hillary, com o poder inteligente, "a diplomacia será a vanguarda da política externa". Ela ressalvou que "diplomacia é um trabalho duro, mas quando trabalhamos duramente, a diplomacia funciona".Hillary observou que "os EUA não podem resolver os problemas mais urgentes do mundo, e o mundo não pode resolvê-los sem a América". Por isso, é preciso planejar e implementar soluções globais."O presidente eleito e eu acreditamos que a política externa deve ser baseada num casamento de princípios e pragmatismo, e não em rígida ideologia; em fato e evidência, e não em emoção e preconceito", disse. Para Hillary, as ameaças à segurança nos EUA não podem ser combatidas com isolacionismo: "O poder inteligente requer que busquemos tanto nossos amigos quanto nossos adversários, para fortalecer velhas alianças e forjar novas."Ela disse ainda que, apesar dos grandes problemas do mundo, "eu não me levanto todas as manhãs pensando apenas nas ameaças e perigos que nós enfrentamos". Segundo Hillary, "freqüentemente vemos os males que nos atormentam mais claramente do que as oportunidades à nossa frente".FRASESHillary ClintonFutura secretária de Estado dos EUA"O poder inteligente requer que busquemos tanto nossos amigos quanto nossos adversários, para fortalecer velhas alianças e forjar novas""Diplomacia é um trabalho duro, mas quando trabalhamos duramente, a diplomacia funciona""Lideraremos com a diplomacia porque é a abordagem inteligente. Mas sabemos que a força militar algumas vezes será necessária e contaremos com ela para proteger nossos interesses"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.