Hillary anuncia novas sanções contra Coreia do Norte

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton anunciou hoje, em Seul, a imposição de novas sanções contra a Coreia do Norte. Hillary disse que as medidas têm como objetivo aumentar a pressão sobre Pyongyang e evitar que o regime empregue recursos em seu programa nuclear e na disseminação de armas de destruição em massa. "Elas têm como alvo as políticas desestabilizadoras, ilícitas e provocativas buscadas por esse governo" , afirmou.

Agência Estado

21 de julho de 2010 | 09h18

Segundo Hillary, as medidas não são dirigidas ao povo norte-coreano "que há muito tempo sofre por causa das prioridades mal orientadas e nocivas de seu governo". As medidas punitivas vão fortalecer a aplicação das resoluções que o Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou depois dos testes nucleares e com mísseis realizados pela Coreia do Norte, disse Hillary.

Ela e o secretário de Defesa, Robert Gates, viajaram para a Coreia do Sul numa demonstração de solidariedade após o naufrágio do Cheonan, que matou 46 marinheiros. Citando descobertas de uma investigação internacional, os Estados Unidos e a Coreia do Sul acusam a Pyongyang de ter lançado torpedos contra a embarcação perto da disputada fronteira no Mar Amarelo, fato negado pelo regime do norte.

"Tem havido algumas indicações nos últimos meses de que o processo de sucessão está em curso no Norte e de provocações desde o naufrágio do Cheonan", disse Gates. "Então, acho que é algo que temos de observar de perto e ficarmos muito vigilantes." Há informações de que o adoecido líder norte-coreano Kim Jong Il, de 68 anos, está se preparando para indicar seu filho mais novo como seu sucessor.

O chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas dos EUA, almirante Mike Mullen, também expressou suas preocupações sobre as ações recentes do regime comunista, durante uma visita a alguns dos 28.500 soldados norte-americanos na Coreia do Sul, dizendo que Kim é "imprevisível".

Banco

A secretária dos EUA prometeu novos esforços com a participação de outros países para fechar empresas de comércio norte-coreanas que praticam atividades proibidas e evitar que bancos estrangeiros realizem transações ilícitas. Hillary disse que as sanções foram formuladas parcialmente com base em medidas financeiras tomadas "vários anos atrás" e que, segundo ela, tiveram bons resultados na época. A afirmação pareceu ser uma referência a antigas sanções contra um banco em Macau que, segundo Washington, Pyongyang usava para lavar dinheiro.

Hillary afirmou que, por ora, não há planos para a retomada das negociações sobre desarmamento nuclear norte-coreano com o sexteto (grupo formado por EUA, Grã-Bretanha, Rússia, China, França e Alemanha). De acordo com ela, primeiro Pyongyang tem de reconhecer sua participação no naufrágio do Cheonan, se comprometer a se desfazer de suas armas atômicas e interromper suas "ações beligerantes".

A secretária disse que o governo Obama continua a "enviar uma mensagem ao Norte de que há um outro caminho", referindo-se às promessa dos Estados Unidos de fornecer ajuda se Pyongyang cancelar seu programa nuclear. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.