Hillary aprova protesto das motoristas sauditas

A secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton expressou seu apoio ao "corajoso" protesto das sauditas contra a proibição de dirigirem automóveis no país. Foi o primeiro comentário público da secretária de Estado sobre a questão, que se tornou um problema nas complexas relações entre os governos saudita e norte-americano.

AE, Agência Estado

21 de junho de 2011 | 17h40

Um dia depois de o Departamento de Estado ter dito que estava tratando da questão por meio de "diplomacia silenciosa" e não com pronunciamentos públicos, Hillary elogiou as manifestantes e destacou que elas estão agindo por conta própria, em nome de seus direitos, e não a mando de pessoas de fora, como ela mesma.

As declarações de Hillary foram feitas depois que as ativistas pediram a ela que usasse seu cargo como a principal diplomata dos Estados Unidos e conhecida defensora dos direitos das mulheres e se pronunciasse em apoio ao grupo.

"O que estas mulheres estão fazendo é corajoso e o que elas buscam é direito, mas os esforços pertencem a elas", disse Hillary a jornalistas durante um encontro com jornalistas no Departamento de Estado com o secretário de Defesa Robert Gates e seu homólogo do Japão. "Eu estou tocada pela ação e as apoio, mas quero destacar o fato de que os eventos não vêm de fora do país. São as próprias mulheres que querem ser reconhecidas".

Os protestos colocaram o governo Obama, e Hillary em particular, numa posição difícil. Enquanto Hillary e outros funcionários graduados da administração norte-americana consideram ofensiva a proibição para que mulheres dirijam na Arábia Saudita, o governo confia cada vez mais nas autoridades sauditas para manter a estabilidade no Oriente Médio e no Golfo Pérsico, em meio a levantes que acontecem em todo o mundo árabe. Por isso, algumas autoridades têm sido relutantes em se opor aos sauditas na questão da direção feminina. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.