Hillary ataca países críticos a pacto com Bogotá

Em vez de criticar o acordo militar entre Colômbia e Estados Unidos, os países da América Latina deveriam é ajudar no combate às drogas na região. Esse foi o recado duro da secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, em entrevista ontem, depois de encontro com o chanceler da Colômbia, Jaime Bermúdez. Questionada sobre a falta de esforços da Venezuela para combater o narcotráfico e sobre a oposição do Brasil ao acordo militar entre EUA e Colômbia, Hillary disse: ?Eu pediria a mais países da região que nos ajudassem no combate às drogas, em vez de ficarem apenas assistindo de fora, ou criticando o acordo.?

AE, Agencia Estado

19 de agosto de 2009 | 09h25

A Venezuela afirmou que o acordo militar é uma ?ameaça? e disse que vai comprar mais armas da Rússia e aumentar o número de bases na fronteira com a Colômbia. O Brasil também demonstrou desagrado em relação ao acordo. ?Este acordo não diz respeito a outros países?, disse Hillary. ?Trata-se de um acordo bilateral entre Colômbia e EUA para aprofundar a cooperação em segurança.? A secretária de Estado voltou a dizer que o acordo não cria nenhuma base americana e não haverá aumento no número de militares dos EUA. ?Está claro no acordo o respeito à integridade territorial dos países, soberania e não intervenção.?

O chanceler colombiano também não poupou alfinetadas aos opositores do acordo. ?A comunidade internacional expressa solidariedade para com as vítimas da guerra do narcotráfico e terrorismo, mas poucos países propõem cooperação efetiva. Com os Estados Unidos, achamos uma ajuda real.? Bermúdez completou: ?Seria bom se tivéssemos outros acordos semelhantes na região.? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaEUAHillarypactoBogotá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.