Hillary bate Obama em Nova York e em outros cinco Estados

Com vitória, senadora fortalece chances de obter indicação do partido para disputar a eleição presidencial

REUTERS

06 de fevereiro de 2008 | 00h16

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos Hillary Clinton venceu a primária democrata de Nova York, batendo seu rival Barack Obama no Estado pelo qual ela é senadora, segundo projeções da mídia norte-americana, fortalecendo suas chances de obter a indicação do partido para disputar a eleição presidencial de novembro.   Veja também:    Especial eleições americanas   Cobertura completa das eleições nos EUA  Além de Nova York, a senadora venceu em outros cinco Estados na Superterça. Ela venceu também as primárias de New Jersey, Massachusetts, Arkansas, Tennessee e Oklahoma.   Obama ganhou a disputa em cinco Estados: Kansas, Alabama, Delaware, Illinois e Geórgia.   Enquanto Obama e Hillary travam uma corrida acirrada entre os democratas, o senador John McCain tem grandes chances de liquidar a fatura contra Mitt Romney - embora o primeiro vencedor do dia, na convenção republicana de Virgínia Ocidental, tenha sido Mike Huckabee. Maccain registra vitória em três Estados: Connecticut, Illinois e Nova Jersey, segundo projeções da CNN, e Mit Romney levou em Massachussetts. Hillary, senadora por Nova York, tenta conter a "onda" favorável a Obama, registrada pelas pesquisas nos últimos dias. Ele praticamente a alcançou nas sondagens nacionais e lidera em vários Estados importantes. "Acho que o fato de termos feito tantos progressos indica que mandamos a mensagem correta", disse Obama ao programa "Today," da NBC. Mais da metade dos delegados democratas e cerca de 40% dos republicanos estão sendo definidos nesta terça-feira. Preocupações econômicas - a queda no valor dos imóveis, o aumento dos preços de energia e alimentos, as turbulências nos mercados financeiros e novos dados apontando forte contração no setor de serviços - ofuscaram a guerra do Iraque como maior motivação dos eleitores, segundo as pesquisas. Huckabee, pastor batista e ex-governador de Arkansas, venceu no segundo turno da convenção da Virgínia Ocidental, ajudado por eleitores de McCain, interessados em evitar uma vitória de Romney, que liderou no primeiro turno. A campanha de Romney protestou contra essa manobra. "Esse é o jeito do senador McCain, acostumado a Washington: ele faz um acordo de bastidores com o candidato dos impostos e dos gastos que ele acha ser mais capaz de conter a campanha de mudança conservadora", disse Beth Myers, uma das responsáveis pela campanha de Romney. McCain criticou Romney por se queixar. "Falando em termos gerais, ao invés de colocar a culpa nos outros, sugiro que ele siga adiante", disse o senador a jornalistas. "É um pouco insultante para o governador Huckabee, que ganhou aquilo, sugerir uma coisa dessas."   Texto atualizado à 1h13

Mais conteúdo sobre:
EUAELEICAODEMNY

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.