Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Hillary Clinton alerta para ameaça no Paquistão

Em Londres, secretária disse que cresce o perigo, mas que não teme pelo arsenal nuclear do país.

BBC Brasil, BBC

11 de outubro de 2009 | 08h09

A secretária de Estado americana Hillary Clinton disse neste domingo que o ataque contra um quartel no Paquistão, no dia anterior, é prova de uma crescente ameaça contra a autoridade do governo do país.

Hillary está em Londres para conversas com o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown e o ministro das Relações Exteriores, David Miliband.

Ela disse que apesar do ataque, os Estados Unidos continuam confiantes a respeito do controle do Paquistão sobre seu arsenal nuclear.

"Ontem foi outro lembrete de que extremistas (...) estão cada vez mais ameaçando a autoridade do Estado, mas nós não vemos evidências de que irão tomar o controle do Estado", disse Clinton.

O ministro das Relações Exteriores britânico, David Miliband, disse que o Paquistão enfrenta uma "ameaça mortal", mas que não há risco de que as armas nucleares do país caiam nas mãos de extremistas.

Miliband e Hillary disseram que sua disposição conjunta de resolver a luta contra o grupo Talebã é "forte e clara" e que estão determinados a trabalhar em conjunto com o novo governo do Afeganistão.

Sobre o Irã, Hillary alertou que a comunidade internacional não esperará indefinidamente para que o governo iraniano cumpra suas obrigações em relação ao programa nuclear do país, enquanto Miliband disse que o Irã nunca terá uma oportunidade melhor de estabelecer relações normais com o resto do mundo.

Ataque

O ataque de sábado no Paquistão começou com uma tentativa de invasão do quartel nos arredores da capital, Islamabad. Em seguida, dois militantes escaparam e tomaram alguns soldados como reféns.

Segundo o Exército, três reféns, dois soldados e pelo menos quatro militantes morreram na operação de resgate. Outros quatro militantes e seis soldados haviam morrido no ataque inicial.

Este foi o mais recente em uma série de ataques no noroeste do Paquistão.

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo atentado, mas o Talebã vem ameaçando realizar ataques se as operações contra o grupo militante não forem suspensas.

Nos últimos dias, áreas controladas pelo Talebã em regiões tribais foram alvo de ataques aéreos e há informações de que a ofensiva será intensificada.

Nesta sexta-feira, pelo menos 50 pessoas morreram em uma explosão na cidade de Peshawar. O ataque ocorreu perto de um mercado lotado.

Na segunda-feira, um suspeito extremista suicida atacou a sede do Programa Mundial de Alimentação da ONU (PMA) na capital paquistanesa, Islamabad, causando a morte de cinco pessoas e deixando vários feridos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.