Hillary Clinton ataca ´irresponsabilidade´ de Bush no Iraque

A senadora democrata Hillary Rodham Clinton disse em Iowa neste domingo que o presidente George W. Bush deve encontrar um jeito de sair do Iraque antes de deixar o governo e chamou de "uma grande irresponsabilidade" dele deixar o problema para a próxima administração."O presidente tem dito que isso será deixado para seu sucessor", disse a senadora de Nova York durante uma reunião em uma feira em Davenport, onde ela termina dois dias de campanha no Estado que deu o pontapé inicial à campanha presidencial de 2008."Eu acredito que é uma grande irresponsabilidade e eu realmente me sinto mal por isso", disse ela. "Essa foi uma decisão dele, de ir à guerra, ele teve um plano mal concebido, uma estratégia executada de forma incompetente e nós devemos esperar que ele tire nosso país disso antes de deixar o governo". Clinton, uma opositora do plano de Bush de enviar mais tropas ao Iraque, tem sido criticada por alguns democratas por sua demora em se voltar contra o conflito e por sua hesitação em renunciar a seu voto em 2002 que autorizou a guerra do Iraque.Durante uma entrevista coletiva antes de deixar o Estado, ela evitou uma questão sobre o porque de não ter considerado aquele voto um erro, como outros candidatos já fizeram. "Eu lamento profundamente a forma como ele usou essa autoridade", disse sobre Bush. "São trágicos os erros que ele cometeu concebendo e executando essa guerra, especialmente a incompetência com que ele planejou e implementou sua política".Clinton também reprovou os jornalistas por repetidamente questionarem sobre como ela iria lidar com os todos os malignos líderes masculinos no mundo. "O que, no meu background, me qualifica a lidar com bons e maus homens?" perguntou ela durante o encontro, refazendo a questão e parando antes que todos começassem a rir. No final, deu uma resposta séria sobre construir diplomacia.Frente nas pesquisasClinton entrou na corrida presidencial no fim de semana passado com uma grande publicidade e uma liderança nas pesquisas de opinião sobre outros sete candidatos opositores democratas, incluindo o senador Barack Obama, de Illinois, e John Edwards, candidato à vice-presidente em 2004.Em Davenport, como em Des Moines no sábado, Clinton abordou uma longa lista de políticas a serem atingidas, desde o suporte para a cobertura universal do serviço de saúde até planos para independência energética e para tornar a universidade mais acessível.Ela lembrou ainda à população do Iowa que Nova York é mais do que apenas a cidade de Nova York e falou sobre seu trabalho em favor das pequenas cidades e fazendas no norte do Estado de Nova York. "Eu acho que vocês vão achar muitas coisas em comum com as cidades pequenas e vilas de seu Estado" .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.