Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Hillary Clinton se diz 'chocada' com massacre de afegãos

Secretária de Estado reitera comprometimento de Washington em levar responsáveis à Justiça

Agência Estado

12 de março de 2012 | 14h45

NOVA YORK - A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse nesta segunda-feira, 12, que está "chocada e entristecida com as mortes de camponeses afegãos inocentes", massacrados por um soldado dos Estados Unidos no domingo. Dos 16 mortos, nove eram crianças.

 

Veja também:

linkMassacre motiva apelo para retirada dos EUA

linkTaleban promete vingança após massacre

linkObama se diz entristecido por mortes

tabelaDez anos de guerra no Afeganistão

 

"Esses não somos nós e os EUA estão comprometidos em investigar e levar à Justiça os que foram responsáveis", ela disse à imprensa, às margens de uma reunião nas Nações Unidas sobre a Síria.

 

Já no domingo, os Estados Unidos ofereceram condolências às famílias dos mortos e prometeram que medidas serão tomadas contra quem for considerado culpado pelo massacre.

 

Kandahar é considerada o berço do Taleban afegão, e o grupo insurgente jurou vingança pela morte dos civis. "Entre as vítimas, há um grande número de crianças inocentes, mulheres e idosos, martirizados pelos bárbaros americanos, que impiedosamente roubaram suas vidas preciosas e encharcaram suas mãos com sangue inocente", afirmam os rebeldes em comunicado publicado em seu site.

 

O incidente também voltou a colocar em questão a retirada das tropas dos Estados Unidos, já anunciada pelo presidente Barack Obama. A saída dos militares americanos já teve início, mas está prevista para terminar em 2014, embora ainda haja discussões sobre a capacidade das forças locais de manter o país estável e seguro. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.