Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Hillary critica posição de Obama referente a pastor

Ela afirma que se teria distanciado de Wright faz tempo

AP, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2008 | 00h00

A senadora Hillary Clinton comentou, pela primeira vez, na terça-feira, a polêmica envolvendo seu rival Barack Obama e seu antigo pastor, Jeremiah Wright. Hillary disse que, se freqüentasse a igreja de Wright, teria se distanciado do pastor "há muito tempo". "Acredito que depois de tudo que ouvimos e vimos, ele não seria meu pastor", afirmou a democrata em uma entrevista coletiva na Pensilvânia. "Você não escolhe sua família, mas escolhe qual igreja quer freqüentar."Os comentários de Hillary foram feitos quase uma semana depois de Obama fazer um discurso no qual condenou as declarações de Wright. O senador, no entanto, não repudiou o reverendo - que celebrou seu casamento e batizou suas duas filhas. Em uma série de vídeos na internet, Wright fez declarações polêmicas, descrevendo os EUA como um país fundamentalmente racista e seu governo como corrupto e assassino. "Deus abençoe a América. Não, não, não. Deus amaldiçoe a América", disse Wright em um de seus discursos.Obama voltou a falar sobre Wright ontem, e justificou a polêmica em torno das declarações do pastor. "Essa pessoa (Wright) é alguém que vem dando sermões pelo menos três vezes por semana há 30 anos e foi condensada em um vídeo de meio minuto tocado repetidamente", disse o senador. "Há desentendimentos em ambos os lados e não podemos resolver os problemas na América se cada vez que alguém fizer algo estúpido esquecermos da guerra no Iraque ou da economia."A equipe de Obama afirmou que as declarações de Hillary fazem parte de uma estratégia da candidata para desviar a atenção das afirmações que fez sobre uma visita à Bósnia em 1996. No começo da semana, a assessoria de Hillary esforçou-se para justificar a declaração da senadora, que disse ter escapado da mira de franco-atiradores quando esteve na Bósnia. "Lembro-me bem dessa viagem à Bósnia", disse ela na semana passada. "Nós aterrissamos sob o fogo de franco-atiradores. Deveria haver uma cerimônia no aeroporto, mas em vez disso, tivemos de entrar nos carros com a cabeça abaixada." Hillary pretendeu, com as declarações, mostrar o quanto estava preparada para a dura tarefa de ser, como presidente, comandante-em-chefe do Exército americano. Um porta-voz da campanha da senadora reconheceu que Hillary "exagerou" na descrição dos perigos de sua chegada ao país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.