Hillary defende direitos de vítimas homossexuais

Hillary Clinton, senadora do Estado de Nova York e mulher do ex-presidente dos EUA Bill Clinton, disse ontem à noite que os parceiros homossexuais das vítimas do atentado ao World Trade Center devem ter os mesmo direitos do que as outras pessoas. Hillary fez a declaração durante o jantar anual da Campanha pelos Direitos Humanos, o maior grupo de defesa dos direitos de homossexuais nos Estados Unidos, com mais de 250 mil integrantes. Recentemente, o reverendo Louis Sheldon, diretor e fundador da Coalizão dos Valores Tradicionais, disse que as agências públicas e privadas que prestam assistência às vítimas do atentado não devem ajudar os sobreviventes e parceiros de vítimas gays ou lésbicas. Hillary não mencionou o nome de Sheldon, mas disse que "parceiros devem ter os mesmos benefícios de outros casais", como seguro de vida de saúde e herança. "Os ataques foram um exemplo extremo de um crime de ódio", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.