Hillary diz ter defendido fim de embargo a Cuba e faz elogio a Dilma

Em livro, ex-chefe do Departamento de Estado dos EUA revela detalhes do período em que integrou o gabinete de Obama

Cláudia Trevisan, Correspondente / Washington

11 de junho de 2014 | 00h24

WASHINGTON - No livro de memórias sobre seus quatro anos como secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton narra sua frustração com a insistência do Brasil em buscar um acordo sobre o programa nuclear do Irã, defende o fim do embargo econômico a Cuba, elogia os avanços sociais da América Latina e diz admirar e gostar da presidente Dilma Rousseff, a quem chama de “líder formidável”.

Lançado na terça-feira, 10, com uma megacampanha de marketing, Hard Choices (Escolhas Difíceis) aumentará ainda mais a visibilidade de Hillary, nome preferido dos democratas para suceder a Barack Obama em 2016. O tour para promoção do livro é visto como o aquecimento do possível embate eleitoral, mas a ex-secretária de Estado disse que só tomará uma decisão sobre a candidatura em 2015.

As vendas serão observadas com atenção pelos analistas políticos, que consideram um resultado fraco um prenúncio de problemas para Hillary. Mas, por enquanto, os dados estão a seu favor. Antes mesmo de chegar ao mercado, Hard Choices já tinha vendido 1 milhão de cópias.

A foto de Hillary e Dilma na posse da presidente brasileira, em 2011, é uma das imagens que ilustram o livro. “Ela pode não ter a bravata colorida de Lula ou o conhecimento técnico de (Fernando Henrique) Cardoso, como alguns observadores argumentam, mas tem forte intelecto e verdadeira coragem, duas características necessárias para os líderes nesses tempos desafiadores”, escreveu, comparando Dilma a seus antecessores. 

Nos quatro anos em que comandou a diplomacia americana, Hillary disse ter tido uma relação construtiva e momentos de frustração com a política externa do Brasil, que se tornou cada vez mais assertiva no governo Lula. A maior fonte de atrito foi a tentativa de Brasil e Turquia de fechar um acordo sobre o programa nuclear iraniano quando o Conselho de Segurança da ONU estava prestes a aprovar sanções contra o país. O acordo, que terminou ignorado pela ONU, foi anunciado dois meses depois de Hillary ter se reunido com Lula, em Brasília, para dissuadi-lo da negociação. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Eles eram exemplos importantes dos ‘poderes emergentes’ cujo rápido crescimento econômico estava alimentando grandes ambições de influência regional e global. Eles também tinham dois líderes confiantes em Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, e Recep Tayyip Erdogan, da Turquia, os quais se consideravam como homens de ação capazes de curvar a história de acordo com sua vontade. Uma vez que eles colocaram seus olhos em negociar uma solução sobre o Irã, havia pouco que pudesse dissuadi-los de tentar, mesmo que apenas resultados opacos –ou mesmo contraproducentes- emergissem.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Na véspera da viagem de Lula a Teerã, Hillary telefonou para o então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, na tentativa de convencê-lo a abandonar a negociação. Diante de sua determinação, ela disse ter reagido de maneira exasperada: “Tem de haver um fim para esse processo”.

Depois do anúncio do acordo, em Teerã, Hillary se concentrou em manter as conversas para adoção das sanções. Em viagem a Pequim, ela discutiu a relevância da estabilidade no Oriente Médio com Dai Bingguo, que era responsável pela política externa no Conselho de Estado. “No fim, eu fui dura. ‘Isso é importante para nós’, eu disse a Dai. Se nós vamos construir uma relação de cooperação, como os presidentes Obama e Hu (Jintao) prometeram, então precisamos que a China esteja conosco no Conselho de Segurança.”

Arestas finais foram aparadas em um encontro de Hillary e o então embaixador da China nos EUA, Zhang Yesui. Ambos estavam em Lima, para uma reunião da OEA e se encontraram no bar do hotel onde ela estava hospedada. “Lá, com coquetéis peruanos, chegamos a um entendimento sobre sanções.”

No ano anterior, China e EUA tinham protagonizado um dos mais bizarros episódios da diplomacia mundial, durante a cúpula sobre mudança climática, em Copenhague. Obama defendia a necessidade de os dois países - os maiores poluidores do mundo - chegarem a um acordo sobre corte de emissões. Quando descobriram que o então premiê da China, Wen Jiabao, havia convocado uma reunião “secreta” com seus colegas de Brasil, Índia e África do Sul, Obama e Hillary decidiram invadir o encontro.

Seguranças e funcionários chineses tentaram evitar o avanço da dupla, mas ambos conseguiram entrar na sala. “Na comoção, o presidente passou pela porta e gritou ‘Sr. premiê!’ realmente alto, o que chamou a atenção de todos”, lembrou Hillary. “‘Vocês estão prontos?’, disse Obama, dando um grande sorriso. Agora, as reais negociações poderiam começar.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.