Hillary e Gates visitam fronteira entre as Coreias

É a primeira vez que os secretários de Estado e Defesa dos EUA visitarão em conjunto a zona desmilitarizada

Efe,

21 de julho de 2010 | 05h53

SEUL - A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, e o titular da Defesa do país, Robert Gates, visitaram nesta quarta-feira, 21, a fronteira entre as duas Coreias, como símbolo da solidez de aliança entre Washington e Seul em plena época de tensões com a Coreia do Norte.

Ao lado dos ministros de Exteriores e Defesa da Coreia do Sul, Yu Myung-hwan e Kim Tae-young, eles visitaram a Zona Desmilitarizada, uma das fronteiras mais protegidas de mundo e último reduto da "Guerra Fria", informa a agência sul-coreana Yonhap.

Os quatro ministros percorreram um quartel militar situado perto da Linha de Demarcação Militar, a Casa de Liberdade e a Área Conjunta de Segurança em Panmunjom, onde conversaram com soldados americanos e sul-coreanos e foram informados sobre as atividades do exército norte-coreano.

Esta foi a primeira ocasião em que os secretários de Estado e Defesa dos EUA visitaram conjuntamente a zona desmilitarizada, um território de 248 quilômetros de comprimento e quatro de largura que separa dois países que seguem tecnicamente em guerra.

Hillary chegou à Coreia do Sul na manhã desta quarta para participar do primeiro diálogo entre as titulares de Exteriores e Defesa dos EUA e Coreia do Sul, por ocasião do 60º aniversário do início da Guerra da Coreia (1950-1953), que terminou com a assinatura de um armistício, mas não de um tratado de paz.

Robert Gates, que está em Seul desde a segunda-feira, disse que sua visita à zona desmilitarizada demonstra o "forte compromisso" de Washington com Seul, quando as duas Coreias vivem um período de forte tensão por causa do afundamento em março d embarcação sul-coreana Cheonan, atribuído à Coreia do Norte.

Tudo o que sabemos sobre:
Hillary, Gates, Coreias, fronteira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.