Hillary e McCain ganham impulso após vitória de New Hampshire

Os candidatos apresidente dos Estados Unidos espalharam-se nesta quarta-feirapor diferentes partes do país, depois da eleição primária deNew Hampshire, na véspera, que reformulou o quadro eleitoralcom a vitória da democrata Hillary Clinton e do republicanoJohn McCain. Hillary desmentiu as pesquisas e superou por uma pequenamargem o senador Barack Obama, tornando ainda mais importantesas próximas disputas democratas, na Carolina do Sul e Nevada. A vitória também deu nova vida à cambaleante campanha deMcCain, que agora volta a ter chances na embolada disputa doPartido Republicano. "Os eleitores de New Hampshire deram uma reviravolta nestenegócio e disseram que esta será uma longa corrida", observou oex-senador democrata John Edwards, terceiro colocado em NewHampshire. De agora até a chamada "superterça", em 5 de fevereiro,quando 22 Estados realizam suas prévias, a campanha ganha umcaráter mais nacional -- ao contrário da política "intimista",olho no olho, que caracterizou Iowa e New Hampshire. Nestafase, mais cara, contam mais os anúncios televisivos e asviagens de avião pelo país. Hillary havia terminado em terceiro lugar no "caucus" deIowa, atrás de Obama e Edwards, o que gerou especulações de queestaria fora do páreo. Nos últimos dias, algumas pesquisasindicavam vantagem superior a 10 pontos percentuais para Obamaem New Hampshire, mas a ex-primeira-dama acabou vencendo portrês pontos percentuais. "Eu ouvi vocês e, neste processo, encontrei minha própriavoz", disse Hillary ao agradecer seus simpatizantes emManchester. "Vamos dar à América o tipo de recuperação que NewHampshire acaba de me dar." Já Obama, no discurso em que admitiu a derrota no Estado,repetiu os temas de sua campanha para uma platéia que haviachegado disposta a comemorar uma vitória expressiva, mas saiufrustrada. "Neste momento, nesta eleição, há algo acontecendo naAmérica. Estamos prontos para levar este país rumo a umadireção fundamentalmente nova", disse Obama. McCain, ex-prisioneiro na guerra do Vietnã, tambémconseguiu uma recuperação espetacular. Há seis meses, suacampanha estava sem dinheiro, ele ia mal nas pesquisas edispensava assessores, antevendo o fim da candidatura. A próxima batalha entre os republicanos acontece naterça-feira, em Michigan, onde o ex-governador de MassachusettsMitt Romney é apontado como favorito, embora também deva havermuitos votos para McCain e Mike Huckabee, vencedor de Iowa. Outro candidato republicano importante, o ex-prefeito deNova York Rudy Giuliani, concentra seus esforços na Flórida,que vota em 29 de janeiro. Ele espera que um resultadoexpressivo nesse Estado lhe dê impulso para a "superterça". Já os democratas vão às urnas no dia 19 em Nevada e no dia26 na Carolina do Sul, onde mais de metade dos participantes daprimária do partido devem ser negros, o que pode beneficiarObama -- que pretende se tornar o primeiro negro presidente dosEUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.