Hillary e Obama travam batalha por votos até o último minuto

Candidatos concentraram campanha em programas de TV

O Estadao de S.Paulo

06 de fevereiro de 2008 | 00h00

Os dois candidatos democratas lutaram ontem até o último minuto para conseguir mais votos nas 22 primárias e caucuses do partido em jogo na Superterça. Enquanto a senadora Hillary Clinton votava sorridente em Chappagua, no Estado de Nova York, pela manhã, o também senador Barack Obama começava o dia animado após receber os resultados de uma pesquisa que davam a ele a liderança no Estado da Califórnia, com 13 pontos de vantagem sobre sua rival.Hillary e Obama resolveram apostar todas suas fichas em aparições na mídia para conseguir mais votos na Superterça. Na segunda-feira à noite, a senadora participou do programa de entrevistas de David Letterman, em uma tentativa de mostrar seu lado mais informal para o público. "Na minha Casa Branca saberemos quem vestirá as calças", afirmou Hillary quando foi questionada por Letterman sobre qual seria o papel de seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, se ela fosse eleita. A candidata descreveu sua campanha como "extenuante e estimulante" e defendeu seu programa de saúde, uma de suas bandeiras de campanha. Ela disse que ultimamente anda tão cansada que, no domingo, durante o SuperBowl - final do campeonato de futebol americano -, não conseguiu tomar "nem uma cerveja". Obama também se ofereceu ao público pela televisão. Depois de passar por uma maratona de cerca de 30 entrevistas, o candidato votou no fim da tarde em Chicago, no Estado de Illinois, por onde é senador. Formal, vestia um terno impecável. Pela manhã, Obama participou ao vivo de um programa da CNN em São Francisco, Califórnia, onde aproveitou para promover seu programa de saúde. "Estou confiante de que se o povo tivesse a oportunidade de pagar por um plano de saúde de alta qualidade com preços acessíveis, eles pagariam", afirmou. Em outra entrevista, à rede NBC, o senador comentou a votação de ontem. "Não acredito que hoje (ontem) seja decisivo, mas acredito que nos dará um bom indício sobre quem representa melhor as preocupações dos eleitores", afirmou. A estratégia de superexposição na mídia do senador parecia estar funcionando.Uma pesquisa divulgada ontem pela Reuters/C-SPAN/Zogby dava a Obama 46% das intenções de voto na Califórnia, enquanto Hillary tinha 36%. A Califórnia é um dos Estados-chave para a nomeação democrata, pois seus 441 delegados correspondem a um quinto dos necessários para a nomeação na convenção nacional do partido. A virada de Obama foi impressionante, pois Hillary vinha liderando na Califórnia desde o início da campanha. Em uma pesquisa de 11 de janeiro da Survey USA, Hillary tinha 50% das intenções de voto, enquanto Obama amargava apenas 35%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.