Efe
Efe

Hillary é 'senhora engraçada e sem inteligência', diz Pyongyang

Coreia do Norte reagiu à secretária de Estado americana, que comparou regime a 'adolescente indisciplinado'

Reuters,

23 de julho de 2009 | 11h56

A Coreia do Norte lançou um duro ataque pessoal à secretária de Estado americana, Hillary Clinton, nesta quinta-feira, 23, após ela associar a presidência de Pyongyang a "crianças pequenas, adolescentes indisciplinados e pessoas que querem chamar a atenção".

 

Veja também:

link Coreia do Norte abandona negociações sobre programa nuclear

especial As origens do impasse norte-coreano

especial A ameaça nuclear da Coreia do Norte

especial As armas e ambições das potências nucleares

 

Em uma reunião das nações do sudeste asiático na Tailândia, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte respondeu ao que ele definiu como uma "sequencia de afirmações vulgares e desapropriadas para sua posição, em todos os lugares onde ela esteve desde que foi empossada", segundo a agência oficial de notícias KCNA.

 

O porta-voz disse que Hillary "não era inteligente" e chamou-a de uma "senhora engraçada". "Algumas vezes ela se parece com uma estudante primária e às vezes uma aposentada indo ao shopping", comparou.

 

O conflito verbal entre os dois países culminou com a Coreia do Norte afirmando que as conversas entre seis participantes, estagnadas por mais de um ano, estavam efetivamente terminadas.

 

Corrida armamentista

 

Hillary disse que a negativa da Coreia do Norte em discutir seu programa nuclear pode ampliar as tensões e provocar uma corrida armamentista no nordeste da Ásia.

 

"Fiquei gratificada por como muitos países da região se manifestaram e expressaram diretamente à Coreia do Norte suas preocupações relativas ao comportamento provocador que temos visto nos últimos meses", disse Hillary, no mesmo encontro na Tailândia

 

"Infelizmente, a delegação norte-coreana ofereceu apenas uma recusa insistente a reconhecer que a Coreia do Norte está no caminho errado", disse. "Eles não expressaram vontade alguma em perseguir a desnuclearização, e isso é problemático não apenas para os Estados Unidos, mas para a região e a comunidade internacional", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.