Hillary e Trump cancelam eventos de campanha em razão do tiroteio no Texas

Democrata adiou primeiro comício que faria ao lado do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Empresário republicano ofereceu condolências às famílias das vítimas

O Estado de S.Paulo

08 de julho de 2016 | 11h01

SCRANTON, PENSILVÂNIA - Os prováveis candidatos às eleições presidenciais americanas, Donald Trump e Hillary Clinton, cancelaram nesta sexta-feira, 8, seus compromissos de campanha em razão do massacre ocorrido durante uma manifestação contra violência policial em Dallas, no Texas, após franco-atiradores deixarem cinco policiais mortos e sete feridos.

Hillary adiou seu primeiro evento em que apareceria ao lado do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. O comitê de campanha de democrata informou que “em razão dos trágicos eventos em Dallas”, o evento que seria realizado em Scranton, na Pensilvânia, não acontecerá nesta sexta-feira.

Em sua conta no Twitter, a ex-secretária de Estado disse: “Lamento pelos oficiais baleados enquanto faziam seu dever sagrado para proteger os manifestantes pacíficos, por suas famílias e por todos que serviram com eles”.

Hillary tem focado em reduzir a violência armada e em maneiras de melhorar o sistema de Justiça criminal ao longo de sua campanha para chegar à Casa Branca. Para isso, a democrata tem levado aos comícios mães que perderam seus filhos por esse motivo, incluindo as mães de Trayvon Martin e Eric Garner.

O republicano Donald Trump também cancelou a viagem que faria a Miami, onde se encontraria com líderes empresariais e comunitários, como parte de sua agenda de campanha em razão dos recentes acontecimentos em Dallas.

Em sua conta no Twitter, o empresário ofereceu “orações e condolências a todas as famílias que estão completamente devastadas pelos horrores que estamos vendo tomar conta do nosso país.”

Trump ainda ressaltou que os eventos no Texas foram “ataques coordenados e premeditados” contra policiais, e disse que a nação está “muito dividida”. Ele pediu “liderança, amor e compaixão” e destacou que é preciso “restaurar a lei e a ordem”, e a confiança das pessoas em estarem seguras em suas próprias casas e nas ruas do país.

“As mortes sem sentido e trágicas de dois motoristas na Louisiana e em Minnesota nos lembram o quanto ainda precisa ser feito.”  /Reuters e Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.