Hillary: líderes da África devem ouvir revoltas árabes

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, advertiu hoje os líderes africanos que, a menos que eles realizem reformas sociais, econômicas e políticas amplas, vão enfrentar o mesmo tipo de revoltas que as ocorridas no mundo árabe. Em um discurso a diplomatas na sede da União Africana (UA) em Adis-Abeba, capital etíope, Hillary disse que a repressão dos governos não é mais algo aceito no mundo. Ela afirmou que o descontentamento, sobretudo entre os jovens, não pode ser suprimido na era da internet e das mídias sociais.

AE, Agência Estado

13 de junho de 2011 | 14h25

Hillary afirmou que o status quo foi rompido, e os governos devem tratar seu povo com dignidade, respeito pelos direitos e oportunidades econômicas. Segundo ela, o levante sem precedentes no mundo árabe é um sinal de que, se os líderes africanos ignorarem as demandas dos cidadãos, estarão correndo riscos. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.