Hillary luta para manter apoio dos negros

Diante da perdapotencial de apoio dos negros, a pré-candidata democrataHillary Clinton disse neste domingo que seu principal rival nopartido à Presidência dos EUA, Barack Obama, está distorcendoseus comentários sobre raça. Os democratas enfrentam um grande teste para a indicação deseu candidato no dia 19, na Carolina do Sul, onde os negrosconstituem um grande bloco de eleitores no partido. Hillary temsido criticada por comentários recentes que, para alguns, derama entender que ela deu mais crédito ao ex-presidente LyndonJohnson pelos avanços nos direitos civis do que a Martin LutherKing. "O dr. King não fez apenas discursos. Ele saiu às ruas. Eleorganizou. Ele protestou", disse Hillary ao programa Meet thePress (Encontro com a Imprensa), da TV ABC. "E ele fez campanha por líderes políticos, incluindo LyndonJohnson porque ele queria alguém na Casa Branca que tomassemedidas sobre aquilo para o que ele tinha dedicado sua vida aalcançar. A campanha de Obama está distorcendo issodeliberadamente", disse a senadora pelo Estado de Nova York,referindo-se ao homem que é seu principal rival pela indicaçãodos democratas para disputar a eleição presidencial denovembro. Obama, senador por Illinois que pode se tornar o primeiropresidente negro do país, está conseguindo bastante apoio desseimportante reduto eleitoral democrata. Mas Hillary e seumarido, o ex-presidente Bill Clinton, recebem há muito tempo umprofundo apoio na comunidade negra e ela está tentandomantê-lo. Obama respondeu, em uma entrevista por telefone, que nuncafez comentários sobre as declarações de Hillary que "ofenderamalgumas pessoas que sentiram de algum modo a diminuição dopapel de King na instauração do Ato dos Direitos Civis. Ela élivre para explicar isso, mas a noção de que de algum modo issofoi feito por nós é ridícula." Enquanto os democratas se preparam para as disputas nosábado na Carolina do Sul e Nevada, os republicanos estão com ofoco em Michigan na terça-feira e na Carolina do Sul, também nosábado. (Reportagem adicional de Andy Sullivan em Michigan e JoanneKenen em Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.