Hillary pede a Israel cooperação com EUA

Após reunião com autoridades israelenses, chefe da diplomacia americana diz que os dois países devem atuar juntos em temas como Irã e Palestina

TEL-AVIV, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2012 | 03h05

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, pediu ontem a Israel que "atue e pense junto" com o governo americano em temas importantes, como a Palestina, a Síria e o Irã. "É um período de incertezas, mas também de oportunidades. Temos a chance de avançar para objetivos comuns em matéria de segurança, estabilidade, paz e democracia em uma região que ainda não viu um futuro melhor", disse Hillary, após reunião com o presidente israelense, Shimon Peres.

Hillary disse ainda que discutiria Egito, Síria, os esforços de paz e o Irã em encontros com o ministro da Defesa, Ehud Barak, e com o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu. Durante sua visita a Israel, a secretária de Estado reuniu-se com o chanceler Avigdor Lieberman e deve conversar com o primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Salam Fayad.

A última visita de Hillary a Israel foi em setembro de 2010, quando tentou, em vão, impedir o colapso das negociações entre israelenses e palestinos. Desde então, o diálogo está interrompido. Para que seja retomado, os palestinos exigem que Israel interrompa a expansão dos assentamentos nos territórios ocupados em 1967. O governo israelense só aceita negociações "sem precondições".

Sobre o programa nuclear iraniano, Peres lembrou ontem que há um "consenso" no mundo sobre a necessidade de evitar que Teerã obtenha uma bomba atômica. "Além do desafio iraniano, eles (os americanos) não devem ignorar as possibilidades de paz entre nós e os palestinos", disse.

A reunião de Hillary com Peres foi marcada por um incidente envolvendo quatro jornalistas palestinos. Eles abandonaram o local após serem obrigados a baixar as calças durante a revista de segurança. Os quatro disseram que outros correspondentes estrangeiros não tiveram de passar pelo mesmo procedimento. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.