Hillary pede que China respeite direitos humanos

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, pediu nesta sexta-feira à China que tenha um papel global responsável respeitando os direitos humanos e ajudando a lidar com os desafios mundiais, como os programas nucleares do Irã e da Coreia do Norte, e a violência na Síria e no Sudão e Sudão do Sul.

AE, Agência Estado

04 Maio 2012 | 12h35

Enquanto EUA e China se movimentavam para solucionar a crise diplomática gerada por um dissidente cego que fugiu da prisão domiciliar e foi buscar abrigo na embaixada americana em Pequim, Hillary não mencionou o ativista, Chen Guangcheng, pelo nome, mas disse que tratou casos específicos de direitos humanos no diálogo com a China.

"Obviamente, os EUA continuam a levantar a questão dos direitos humanos porque acreditamos ser essencial que qualquer país a defenda", disse Hillary, em discurso que marcou o fim de suas visita a Pequim após dois dias de conversações estratégicas anuais com os chineses.

"Citamos casos específicos de indivíduos e situações sempre que necessário porque não podemos ignorar nossas diferenças no relacionamento abrangente que estamos construindo", afirmou a secretária de Estado.

O principal diplomata chinês, Dai Bingguo, descreveu as conversações entre Washington e Pequim como um "tremendo" sucesso, com uma franca troca de pontos de vista, mas admitiu a diferenças entre os países no que diz respeito aos direitos humanos. "Na questão dos direitos humanos, nenhum país pode alegar ser perfeito. A China continuará no caminho certo que escolheu", disse.

Dai também reiterou o posição da China de que os direitos humanos não devem ser usados como uma "desculpa para interferir nos assuntos internos de outros países".

Hillary especificamente apelou à China que auxilie nos esforços internacionais para persuadir a Coreia do Norte a suspender as atitudes de provocação, além de fazer o Irã provar que seu programa nuclear tem fins pacíficos e acabar com os conflitos na Síria e no Sudão e Sudão do Sul.

"Cada uma destas crises representa um desafio geral à segurança global, e cada uma oferece uma oportunidade para que nos aproximemos mais e trabalhemos juntos para avançar nos nossos interesses comuns de paz e estabilidade", disse Hillary. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
CHINA CLINTON

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.